PUBLICIDADE
Topo

Criador do Wikileaks entra para lista de procurados da Interpol

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

30/11/2010 21h13

  • Reprodução/Interpol

O australiano Julian Assange, o principal nome por trás da organização especializada em divulgar documentos secretos Wikileaks, entrou para a lista de "procurados" da Interpol, acusado de "crimes sexuais".

Segundo ficha disponível no site da agência policial internacional (veja acima), o mandado de prisão contra Assange teria origem em Gothenburg, na Suécia. Na mesma página, a Interpol solicita informações sobre o australiano.

Segundo agências de notícias, Assange apelou nesta terça-feira (30) à Suprema Corte da Suécia para impugnar a ordem de prisão emitida pela Justiça sueca contra ele por acusações de agressão sexual.

Em 18 de novembro, a Justiça sueca emitiu uma ordem de prisão contra Assange para interrogá-lo por "suspeitas razoáveis de violação, agressão sexual e coerção" por fatos ocorridos em agosto.

O advogado do fundador do WikiLeaks recorreu da decisão, mas esta foi confirmada na apelação. A única alternativa que restava era a Suprema Corte.

Os advogados sueco e britânico de Assange haviam criticado a ordem de prisão, formulada pela promotora encarregada do caso, Marianne Ny, alegando que haviam proposto em vão várias datas para que Assange fosse interrogado.

Defensores de Assange denunciam uma perseguição judicial, motivada pelos vazamentos de material secreto que o Wikileaks realiza.

Também hoje, Kintto Lucas, vice-ministro do Exterior equatoriano, disse à imprensa local que o Equador está tentando contatar Julian Assange, o responsável pelo WikiLeaks, a fim de convidá-lo a se radicar no país, elogiando o trabalho investigativo que ele realiza.

"Estamos convidando Assange para fazer palestras e, se desejar, lhe ofereceremos cidadania equatoriana", disse Lucas em entrevista publicada na terça-feira pelo jornal local "Hoy".

O paradeiro atual de Assange é desconhecido; acredita-se que se desloque de país a país, para despistar as ações judiciais movidas contra ele por diversos países.

*Com informações de agências internacionais

Internacional