Terremoto no Japão

Situação em usina nuclear do Japão ainda é muito séria, diz AIEA

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

A situação na usina nuclear de Fukushima é muito séria apesar do aumento dos esforços para conter o vazamento radioativo, disse Yukya Amano, diretor da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), nesta quarta-feira (30).

"A situação continua muito séria e os esforços para controlar a crise estão aumentando", disse Amano. Segundo ele, as autoridades japonesas estão encontrando dificuldades adicionais mas têm obtido algum sucesso em combatê-los.

Nesta quarta-feira (30), o Japão ordenou uma atualização imediata na segurança de suas 55 usinas nucleares, sua primeira admissão de que os padrões são inadequados depois que um terremoto e um tsunami danificaram um dos complexos no último dia 11.

Somando-se à evidência de que os vazamentos radioativos nas imediações da usina afetada, cerca de 240 km ao norte de Tóquio, medições detectaram iodo radioativo no mar próximo da usina em níveis recordes. A agência estatal de segurança nuclear disse que os índices estão 3.355 vezes mais altos do que o limite legal.

As novas medidas de segurança, a serem finalizadas até o final de abril, incluem preparar uma fonte de energia alternativa em caso de perda de potência e ter caminhões-pipa à disposição para intervir e garantir o resfriamento dos reatores e das piscinas de combustível usado, disse o Ministério do Comércio.

Outras ações, como construir muros de contenção mais altos perto do mar, serão estudadas após um levantamento completo do desastre de Fukushima, declararam as autoridades.

As medidas imediatas não necessariamente exigem que as operações das usinas sejam interrompidas, declarou Banri Kaieda, ministro da Economia, Comércio e Indústria, em uma coletiva de imprensa.

"Estas são as medidas mínimas que podemos conceber agora para serem implementadas imediatamente", disse Kaieda.


"Não deveríamos esperar até uma revisão completa e abrangente --algo grande que levaria muito tempo-- ser preparada. Devemos fazer tudo que pudermos se e quando houver algo (que as autoridades de segurança concordam ser) viável e necessário", acrescentou.

Antes da tragédia, os reatores nucleares japoneses forneciam cerca de 30 por cento da energia do país. A porcentagem deveria chegar a 50 por cento até 2030, entre as mais altas do mundo.

O governo e a TEPCO admitiram não haver um final em vista para o pior desastre atômico desde Tchernobil em 1986.

"Não estamos em uma situação na qual podemos dizer que teremos isto sob controle em um determinado tempo", declarou Yukio Edano, secretário-chefe de gabinete, em uma entrevista coletiva.

A descoberta de plutônio altamente tóxico no solo da usina nesta semana já havia aumentado o alarme com o desastre, que ofuscou a calamidade humanitária desencadeada pelo tremor seguida de tsunami que deixou 27.500 mortos e desaparecidos.

A poluição oceânica é outra grande preocupação para um país onde o peixe é parte fundamental da dieta.

Especialistas dizem que a vastidão do oceano e uma correnteza poderosa podem diluir os altos níveis de radiação, limitando o risco de contaminação da fauna marinha.

* Com as agências internacionais

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos