Topo

Obama defende Estado palestino com fronteiras de 1967

Do UOL Notícias<br>Em São Paulo

19/05/2011 14h01Atualizada em 19/05/2011 20h00

O presidente americano Barack Obama, em discurso voltado ao mundo árabe, apoiou a criação de um Estado Palestino baseado nas fronteiras que existiam antes da Guerra de 1967, contrariando o desejo israelense de determinar as fronteiras nas negociações. 

Segundo Obama, o novo Estado palestino deverá ser desmilitarizado e formado a partir de acordos mútuos. 

"A paz entre Israel e Palestina é mais urgente do que nunca", destacou o presidente. 

De acordo com Obama, os Estados Unidos continuam comprometidos com a segurança de Israel e criticou ações para isolar o país nas Nações Unidas. "Isso não vai faciliar a criação da Palestina", disse. 

Segundo o presidente americano, o status quo de Israel é insustentável e o país deve agir firmemente em busca da paz.

"A retirada completa e em etapas das forças militares israelenses deve ser coordenada com a pretensão da responsabilidade de segurança palestina em um estado soberano e não militarizado", acrescentou. "A duração deste período de transição precisa ser acertada e a efetividade de arranjos de segurança precisam ser demonstrados", concluiu.

Obama criticou a participação do Hamas - considerado como organização terrorista pelos Estados Unidos - e disse que o grupo dificulta as negociação de paz entre Israel e Palestina. Para o presidente, o anúncio de um governo unitário com o Fatah levanta questões sobre a legitimação do Estado palestino, já que o Hamas se recusa a reconhecer o direito de Israel existir.

 

Mais Internacional