Presidente de Cuba diz que resistir a mudanças será inútil

Renata Giraldi*

Da Agência Brasil<br>Em Brasília

  • Reuters

    Raúl Castro disse que jamais foi favorável a "mudanças bruscas" optando "raciocinar, convencer, educar e somar"

    Raúl Castro disse que jamais foi favorável a "mudanças bruscas" optando "raciocinar, convencer, educar e somar"

O presidente de Cuba, Raúl Castro, criticou ontem (1º) a “inércia” e “indiferença” dos cubanos na aplicação das reformas, propostas em abril. O objetivo do pacote com mais de 300 medidas é evitar o colapso da economia no país. Castro disse ainda que resistir às mudanças será inútil.

“O maior obstáculo que enfrentamos no cumprimento dos acordos do 6º Congresso [do Partido Comunista de Cuba] é a barreira psicológica formada pela inércia, o imobilismo, a simulação ou dupla moral, a indiferença e insensibilidade, que estamos obrigados a ultrapassar com firmeza”, disse Castro.

O presidente discursou durante a sessão de encerramento do plenário da Assembleia Nacional em Havana que analisou e ratificou as propostas de reforma na área econômica no país. “Seremos pacientes e perseverantes diante das resistências à mudança, sejam essas conscientes ou inconscientes. Alerto que toda a resistência burocrática ao estrito cumprimento dos acordos do Congresso, apoiados massivamente pelo povo, será inútil”, disse ele.

Castro disse que jamais foi favorável a “mudanças bruscas” optando “raciocinar, convencer, educar e somar”. “Sem mudar a mentalidade não seremos capazes de cumprir as mudanças necessárias para garantir nos manter”, disse.

De acordo com dados do governo, a economia cubana cresceu 1,9 % no primeiro semestre de 2011 em relação a igual período do ano anterior e que as previsões apontam para um crescimento de 2,9 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) até finais de ano.

O pacote de mudanças inclui a abertura para investimentos privados, compra de imóveis, permissão para viagens ao exterior e incremento no setor agrícola. Desde de 1960, Cuba sobre embargo econômico imposto pelos Estados Unidos, o que afeta diretamente a economia interna e externa do país.

Os cerca de 12 milhões de cubanos sofrem com as restrições no abastecimento de água e energia, além de produtos de limpeza e até de alimentação. A economia de Cuba é baseada na entrada de divisas – de cubanos que enviam dinheiro do exterior –, turismo e exportação de níquel.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa, e do site oficial do governo de Cuba, Cubanet

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos