Topo

Premiê líbio confirma morte de Muammar Gaddafi e avisa autoridades dos EUA

Do UOL Notícias<br>Em São Paulo

20/10/2011 12h33Atualizada em 20/10/2011 17h07

O premiê interino da Líbia, Mahmoud Jibril, junto com líderes do governo interino da Líbia, confirmou a autoridades americanas que o ditador líbio Muammar Gaddafi foi morto, nesta quinta-feira (20), em Sirte, segundo informações da agência de notícias AP.

"Esperávamos este momento há muito tempo. Gaddafi está morto", disse Jibril, em uma conferência de imprensa, em Trípoli. Gaddafi comandava a Líbia desde 1969, quando ainda era um capitão do Exército de 27 anos de idade e derrubou o rei Idris 1º.

Os confrontos no país começaram em 15 de fevereiro deste ano, com protestos contra a prisão de um ativista de direitos humanos e contra os governantes corruptos. As manifestações da juventude líbia foram reflexos da chamada Primavera Árabe, série de manifestações iniciada neste ano e que culminou com a queda dos ditadores Zine Ben Ali (Tunísia) e Hosni Mubarak (Egito). Durante estes oito meses, em todas as suas aparições públicas, Gaddafi jamais cogitou ceder o poder e sempre disse que lutaria até a morte.

MAIS DE MUAMMAR GADDAFI

  • Clique na imagem para ver fotos da família Gaddafi

  • Clique na imagem para ver mansões de Gaddafi

  • Estilo Gaddafi mistura Lacroix e Snoopy; veja imagens

O líder militar do Conselho Nacional de Transição (CNT), Abdel Hakim Belhaj, afirmou, em entrevista à TV Al Jazeera, que o ex-ditador líbio foi morto e as informações foram repassadas a autoridades dos Estados Unidos. Os EUA e a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) ainda não confirmam a informação da morte. O presidente americano Barack Obama irá fazer uma declaração oficial sobre o assunto às 16h (horário de Brasília).

Segundo a emissora de televisão Al Jazeera, o corpo do ex-líder líbio foi colocado em uma mesquita em Misrata. A televisão Al Arabiyya confirmou que o corpo de Gaddafi estava em Misrata, mas em um centro comercial no bairro de Souq Tawansa.

O ministro da Informação do CNT, Mahmoud Shammam, também confirmou a morte de Gaddafi à rede americana CNN. Segundo Shamman, "hoje é dia de grande vitória para o povo líbio". 

A morte de Gaddafi também foi confirmada pelo vice-presidente do CNT, Abdul Hafiz Ghoga, e pelo comandante Abdel-Basit Haroun, também do CNT, que afirmou que o ex-líder foi morto em um ataque aéreo da Otan a um comboio que tentava deixar a cidade líbia de Sirte.

"Nós anunciamos ao mundo que Gaddafi foi morto pelas mãos da revolução", declarou o porta-voz do CNT, Abdel Hafez Ghoga.

"É um momento histórico. É o fim da tirania e da ditadura. Gaddafi encontrou seu destino", completou.

O porta-voz do CNT em Misrata, Abdullah Berrassali, também confirma a morte do ex-ditador Gaddafi. O canal de TV Al Jazeera já veicula uma imagem do corpo do ditador, supostamente morto.

Outras fontes como o Conselho Militar de Misrata e o líder Abdel Majid, do CNT, apenas afirmam que o ex-ditador está ferido. “Ele foi capturado e está ferido nas duas pernas”, afirmou Abdel Majid, um dos líderes do Conselho Nacional de Transição, à agência Reuters. “Gaddafi foi levado por uma ambulância”, acrescentou.

Um vídeo que circula entre os combatentes do CNT em Sirte mostra imagens feitas com um telefone celular do que aparenta ser o corpo de Gaddafi ensanguentado. Nas imagens granuladas, observadas por um correspondente da AFP, vários ativistas do CNT gritam de maneira caótica ao redor de uma pessoa de uniforme cáqui com sangue no rosto e pescoço. O corpo é levado pelos combatentes e colocado em uma caminhonete.

Uma fotografia feita a partir de uma imagem pausada de um celular e obtida pela agência AFP supostamente mostra Gaddafi muito ensanguentado, mas ainda não está claro se ele estava vivo ou morto no momento da foto. Na imagem, o ex-ditador está com sangue no rosto e nas roupas.


Ainda não se tem notícias confirmadas do que foi feito com o corpo. Algumas versões afirmam que foi levado para um local secreto.

No entanto, o site de uma televisão pró-Gaddafi, a Al-Libya, negou nesta quinta-feira "a captura ou a morte" do líder deposto.

"As informações espalhadas pelos lacaios da Otan sobre a captura ou a morte do irmão dirigente Muammar Gaddafi não têm fundamento", indicou a televisão, afirmando que ele goza de "bom estado de saúde".

Veja as reações internacionais ao anúncio da morte de Gaddafi

Segundo o depoimento de um rebelde líbio para a agência Reuters, Gaddafi estava escondido em um buraco em Sirte e quando foi encontrado começou a gritar "não atirem, não atirem".

A informação da captura do ex-ditador foi divulgada logo após a tomada de Sirte, cidade natal de Gaddafi e último reduto de forças leais a ele, pelos rebeldes líbios.

Um dos filhos do ex-ditador, Muatassim, foi achado morto em Sirte, informou à AFP Mohamed Leith, comandante das forças do novo regime líbio que combate nesta cidade.

"Nós o encontramos morto. Colocamos seu corpo, assim como o de (ministro da Defesa do antigo regime líbio) Abubakr Yunes Jaber, em uma ambulância para levá-los para Misrata", indicou o militar.

Segundo a TV Al Jazeera, Saif al-Islam, filho de Muammar Gaddafi e considerado sucessor do pai no regime anterior, foi ferido e preso perto da cidade de Sirte.

Entenda o conflito

Os confrontos na Líbia começaram em 15 de fevereiro deste ano, quando 2.000 manifestantes protestaram em Benghazi contra a prisão de um ativista de direitos humanos e contra os governantes corruptos.

Veja a localização de Sirte, cidade natal de Gaddafi e onde o ex-ditador foi capturado

A queda do ditador Zine Ben Ali, que governara a Tunísia por 23 anos, ocorreu em 14 de janeiro e foi o estopim da chamada Primavera Árabe, com revoltas em vários países do norte da África e do Oriente Médio e a queda de outro ditador, o egípcio Hosni Mubarak, quase um mês depois.

Apesar da forte repressão, os rebeldes líbios conseguiram a simpatia da comunidade internacional. Em 17 de março, um mês após o início dos conflitos, a ONU (Organização das Nações Unidas) aprovou a resolução 1973, que permite que os países aliados à Otan interviessem e tomassem “todas as medidas necessárias” para proteger a população civil.

A medida deu espaço para que os países da Otan, especialmente os EUA, o Reino Unido e a França, iniciassem bombardeios aéreos contra Trípoli e outras cidades como Benghazi e Misrata.

Ao mesmo tempo, começou o isolamento internacional de Muammar Gaddafi. Muitos países já reconhecem o Conselho Nacional de Transição como órgão legítimo do governo na Líbia.

Os rebeldes líbios tomaram o quartel-general de Muammar Gaddafi na capital Trípoli em 23 de agosto.

Os nove meses de confrontos causaram muitos prejuízos para o país: milhares de pessoas morreram nos combates entre rebeldes e o governo; estima-se que, desde o início do conflito, mais de 1,2 milhão de pessoas tenha deixado a Líbia, criando uma crise humanitária. Muitos dos refugiados líbios se dirigiram à Lampedusa, ilha na Itália.

Mais Internacional