Topo

Grécia chega a acordo sobre governo de coalizão; primeiro-ministro vai deixar o poder

Do UOL Notícias*

Em São Paulo

2011-11-06T18:45:39

2011-11-06T23:04:27

06/11/2011 18h45Atualizada em 06/11/2011 23h04

O primeiro-ministro grego, Giorgos Papandreou, e o líder do partido oposicionista Nova Democracia (ND), Antonis Samaras, chegaram neste domingo (6) a um acordo para a formação de um governo de coalizão, acertado após reunião com o presidente do país, Karolos Papoulias, segundo comunicado divulgado pela Presidência. O acordo inclui a saída do atual primeiro-ministro do poder.

O novo governo ficará encarregado da "aplicação do plano europeu" de ajuda à Grécia até "as próximas eleições", destaca o comunicado. O líder da oposição conservadora e Papandreou se reunirão novamente nesta segunda-feira para designar um novo primeiro-ministro e o futuro gabinete.

Dessa forma, os líderes acertaram cumprir o plano de ajuda à Grécia feito com a União Europeia (UE) e o FMI em 26 de outubro --que inclui o perdão de 50% da dívida grega com os investidores privados-- e a formar um governo de coalizão que ficará no poder até a realização de novas eleições.

Os maiores partidos políticos do país decidiram que as eleições devem ser realizadas em 19 de fevereiro, segundo anunciou o ministro da economia do país, Evangelos Venizelos.

A condição para a ajuda externa é a aplicação de medidas de austeridade. Espera-se que o ministro interino de Finanças da Grécia, Vangelis Venizelos, continue no cargo e que represente o país na reunião de amanhã. Além disso, ele deve permanecer no posto de vice-presidente.

Uma vez concluídas todas as negociações, o Parlamento dará o voto de confiança ao novo governo.

Renúncia

A reunião que selou o acordo ocorreu após um final de semana de sobressaltos para Papandreou. O premiê declarou antes do encontro que está preparado para abandonar o cargo se a oposição chegasse a um acordo sobre o nome de um novo primeiro-ministro e a formação de um governo de coalizão.

A renúncia de Papandreou era uma exigência de Samaras para participar das negociações para a formação de um governo de coalizão, que será criado com o objetivo de superar a crise econômica que atinge o país.

O primeiro-ministro deixou o cargo fragilizado, mesmo tendo ganho a moção de confiança do Parlamento na última sexta-feira, com 153 votos a favor e 145 contra.

No sábado, Papandreou tentou iniciar a formação de um governo de coalizão na Grécia, mas foi barrado pela oposição, que queria, além da renúncia do premiê, novas eleições.

Segundo a agência de notícias Reuters, duas pesquisas de opinião pública divulgadas no sábado sugerem que os gregos preferem um governo de união nacional à convocação de eleições antecipadas.
 
*Com informações das agências internacionais