PUBLICIDADE
Topo

Lista de "influência nociva" da revista Time tem Assad e Kim Jong-un

Para a publicação, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, deverá responder se vai se desviar do caminho de seus antepassados - AP
Para a publicação, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, deverá responder se vai se desviar do caminho de seus antepassados Imagem: AP

Do UOL, em São Paulo

18/04/2012 16h34

Junto com a lista das 100 pessoas mais influentes do mundo, a revista americana “Time” também divulgou nesta quarta-feira (18) alguns nomes de pessoas que exercem uma influência nociva. Entre os destaques negativos estão o líder norte-coreano Kim Jong-un e o presidente sírio Bashar Assad.

A publicação descreve o herdeiro de Kim Jong-il como a “encarnação da doutrina de autossuficiência estabelecida pelo seu avô e pai, primeiro e segundo imperadores da dinastia comunista”.  O texto acrescenta que o caminho da autossuficiência e da guerra não leva à prosperidade, mas sim a campos de trabalho forçado, fome e privação. A revista questiona se o novo líder, educado na Suíça e há apenas quatro meses no poder, poderá desviar-se do caminho de seus antepassados. E afirma que a prosperidade da região ficará “imprevisível” até que ele forneça a resposta.

Sobre Assad, a “Time” lembra que, ao assumir o poder, no ano 2000, ele parecia ser uma “criatura mítica: um autocrata reformista”. Mas a Primavera Árabe inspirou a população síria a protestar e a resposta de seu regime foi a repressão. “Como seu pai Hafez promoveu uma matança para preservar o regime na década de 80, Bashar pretende provar que ele será o responsável por apaziguar a Síria – mesmo que seja apenas porque ele pode matar de forma mais eficiente”.

Outros dois nomes são citados pela revista na lista das influências negativas: o mulá Mohammed Omar, 52, líder do Taleban (grupo islâmico afegão), e Ahmed Abdi Godane, 34, líder da milícia islâmica somali Al Shabab. Por conta de diferentes graus de aliança com a Al Qaeda, os dois aparecem constantemente em listas de terroristas globais. Contudo, suas políticas, embora ressonantes, são locais, diz a “Time”.

Internacional