Crise política no Paraguai

Para Dilma, não cabe fazer ameaças neste momento ao Paraguai; líderes se manifestam contra impeachment

Do UOL, em São Paulo

A presidente Dilma Rousseff afirmou no Rio de Janeiro que não é momento de falar ainda se a cláusula democrática da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) será aplicada ao Paraguai, para o caso do impeachment do presidente Fernando Lugo, nem de fazer "ameaças".

"Não está decidido nem foi inteiramente discutido. E não cabe fazer ameaças neste momento, pois não contribui para a busca de uma solução", disse Dilma, que qualificou de "séria, mas simbólica, sem ameaças", a posição da missão ministerial do bloco enviada ao Paraguai.

Lugo, acusado "de mau desempenho de suas funções, negligência e irresponsabilidade" após a morte de 11 trabalhadores sem-terra e de seis policiais em um confronto armado na sexta-feira passada, durante a desocupação de uma fazenda, foi destituído ao final de um processo parlamentar sumário, que durou pouco mais de 24 horas.

Lugo acatou a decisão mas, no discurso que fez já fora do cargo, disse que “a democracia foi ferida profundamente”.
No julgamento, foram 39 votos pela condenação, 2 ausentes e 4 senadores que se opuseram à destituição.

O vice Federico Franco tomou posse como novo presidente pouco depois da aprovação do impeachment. "A República do Paraguai vive momentos difíceis. E nessas circunstâncias Deus e o destino quiseram que eu assumisse a Presidência da República. Esse compromisso só será possível com a ajuda de todos vocês. É a única maneira de levar adiante o Paraguai, que tem que ser reconstruído em todos os setores, católicos e não católicos, com a união de todos os partidos e todos os movimentos sociais", disse Franco na tribuna do Senado paraguaio, enfatizando o pedido de união do Congresso. Franco citou nominalmente vários partidos em seu pedido de união: Partido Colorado, Partido Liberal, Partido Democrata Progressista.

"Eu me comprometo a respeitar as instituições democráticas. Diante desse honorável Congresso, venho ratificar minha vontade irrestrita de respeitar as instituições democráticas e o Estado de direito e os direitos humanos", acrescentou.

Líderes reagem contra e a favor da decisão

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, considerou a destituição de Lugo um golpe “inaceitável”.

"Sem a menor dúvida houve um golpe de Estado" no Paraguai, diz mensagem de Kirchner no site oficial do governo, que qualifica a situação de "inaceitável".

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse que não reconhece o "inválido e ilegal" governo que se instalou no Paraguai e qualificou de "vergonhoso" o julgamento político que terminou com o impeachment de Fernando Lugo.

"O governo venezuelano, o Estado venezuelano, não reconhece a esse inválido, ilegal e ilegítimo governo que se instalou em Assunção", declarou.

Ao afirmar que "Lugo foi retirado de maneira totalmente ilegítima do poder", Chávez considerou que fizeram o "mesmo" em junho de 2009 com o então presidente de Honduras, Manuel Zelaya, e que "tentaram fazer" na Venezuela, ao se referir ao golpe que o tirou brevemente do poder em abril de 2001.

"Não só se ataca o presidente Lugo e o governo legítimo do povo paraguaio, se ataca a história paraguaia e alguém diria mais, se ataca a Unasul (União de Nações Sul-Americanas)", disse Chávez, ressaltando que "isto não vai terminar lá".

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse não reconhecer o novo presidente e condenou o que também chamou de "golpe parlamentar" contra Lugo. A Bolívia "não reconhece um governo que não saia das urnas e do mandato do povo", disse Morales, de acordo com a agência estatal ABI. Segundo ele, Lugo "estava acabando com os privilégios, com os caudilhos e com os grupos de poder" no Paraguai, e "isto sempre tem um custo".

Segundo Morales, "o golpe parlamentar" no Paraguai foi "produto de uma ação política coordenada pelos neoliberais em conluio com os caudilhos locais e o Império (Estados Unidos) a distância".

"O julgamento montado contra Lugo no Senado paraguaio foi uma ação do imperialismo e da direita internacional", afirmou.

O presidente do Equador, Rafael Correa, qualificou como um "golpe ilegítimo" o impeachment de Fernando Lugo como presidente do Paraguai e disse que não reconhecerá nenhum outro presidente do país sul-americano

A Costa Rica também condenou a decisão tomada pela maioria oposicionista no Congresso e ofereceu asilo a Fernando Lugo e aos membros de seu gabinete.

O chanceler da Costa Rica, Enrique Castillo, afirmou que o procedimento que levou à cassação de Lugo "tem reflexos de golpe de Estado" e por isso seu país rejeita a decisão do Congresso paraguaio.

O diplomata acrescentou que seu país, "historicamente um tradicional território de asilo, tem disposição" de receber Lugo ou membros de seu gabinete se isto for solicitado.

O departamento de Estado dos EUA reconheceu o impeachment e pediu que “todos os paraguaios ajam pacificamente, com calma e responsabilidade, dentro do espírito dos princípios democráticos” da nação.

(Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos