PUBLICIDADE
Topo

Cerca de 50 chefes de Estados participam hoje de funeral de Chávez

Carlos Iavelberg

Do UOL, em Caracas (Venezuela)

08/03/2013 06h00

Cerca de 50 chefes de Estado devem participar nesta sexta-feira (8) do funeral do presidente venezuelano Hugo Chávez, segundo informou o governo venezuelano. O ato está programado para começar às 11h na capital Caracas (12h30 no horário de Brasília).

A maioria dos chefes de Estado chegou à Venezuela ao longo da quinta-feira (7). Entre os presentes estarão o líder de Cuba, Raúl Castro, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Os presidentes do Uruguai, José Mujica, e da Bolívia, Evo Morales, estão desde quarta-feira (6) em Caracas. A presidente argentina, Cristina Kirchner, chegou na quarta, mas foi embora ontem, e o país será representado pelo chanceler argentino, Héctor Timerman.

Também estarão os presidentes Alexander Lukashenko (Bielarus), Sebastián Piñera (Chile), Juan Manuel Santos (Colômbia), Rafael Correa (Equador), Mauricio Funes (El Salvador), Enrique Peña Nieto (México), Michel Martelly (Haiti), Daniel Ortega (Nicarágua), Ricardo Martinelli (Panamá), Ollanta Humala (Peru), Danilo Medina (República Dominicana), e Otto Pérez Molina (Guatemala).

O príncipe Felipe da Espanha, herdeiro do trono espanhol, também confirmou publicamente sua presença na Venezuela.

Já Os Estados Unidos serão representados no funeral pelo atual encarregado de negócios da embaixada americana em Caracas, James Derham, o ex-congressista Bill Delahunt e o parlamentar Gregory Meeks, ambos democratas.

Corpo será embalsamado

Inicialmente, estava previsto que Chávez fosse enterrado hoje, mas o presidente interino, o vice Nicolás Maduro, anunciou ontem mudanças de última hora nos planos. Primeiro, foi anunciado que o velório do corpo vai durar mais sete dias para que “todos os venezuelanos” possam se despedir do comandante.

Desde quinta-feira, uma multidão se dirigiu até a Academia Militar para ver o corpo, fato que gerou uma fila de espera de até 12 horas.

Maduro também declarou que o corpo de Chávez será embalsamado e ficará exposto no Museu da Revolução, que será construído onde hoje está o Museu Militar de Caracas. Ontem, o ministro do Interior e Justiça, Néstor Reverol, informou que o governo decretou ponto facultativo para hoje.

Desde que Chávez morreu, milhares de venezuelanos encabeçaram a campanha "ao Panteão, ao Panteão". O clamor é para que os restos mortais do líder que comandou a Venezuela nos últimos 14 anos sejam sepultados no Panteão Nacional. Porém, a Constituição determina que se espere 25 anos da morte de qualquer pessoa para que o corpo seja levado para lá.

"Quero dizer ao povo e ao mundo que decidimos preparar o corpo do comandante-presidente, embalsamá-lo para que fique aberto eternamente para que o povo possa vê-lo em seu Museu da Revolução. Assim como está Ho Chi Minh [líder vietnamita], como está Lênin [líder russo], como está Mao Tsé-Tung [chinês]", disse Maduro ontem.

Morte

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, morreu aos 58 anos nesta terça-feira (5), vítima de um câncer na região pélvica, com o qual convivia há um ano e meio.

Desde que sua enfermidade foi diagnosticada, em junho de 2011, Chávez passava longos períodos em Cuba, onde tratava a doença.

O anúncio oficial da morte de Chávez foi feito por volta das 17h25 no horário local (18h55 no horário de Brasília) pelo então vice-presidente venezuelano Nicolás Maduro. No mesmo pronunciamento, Maduro confirmou que Chávez morreu às 16h25 (17h55h no horário de Brasília).

Internacional