PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Capriles vota em bairro nobre sob gritos histéricos e otimismo de eleitores

Fernando Llano/AP
Imagem: Fernando Llano/AP

Thiago Varella

Do UOL, em Caracas

14/04/2013 18h01

"Se vê, se sente. Capriles presidente". Eram esses versos que os simpatizantes de Henrique Capriles cantavam quando o candidato da oposição chegou para votar no colégio Santo Tomas de Villanueva, no bairro nobre de Las Mercedes, no município de Baruta.


O local é um dos maiores redutos antichavistas da grande Caracas. Capriles foi prefeito de Baruta por dois mandatos de 2000 a 2008. Na eleição presidencial do ano passado, ele teve 79% dos votos no município contra 20% de Hugo Chávez.

Por isso, nada mais natural que as centenas de pessoas que aguardavam Capriles do lado de fora do colégio estivessem confiantes em uma vitória da oposição.

“Não confio em pesquisas. São todas encomendadas por chavistas. Creio que vamos levar essa eleição. O povo não é bobo e sabe que Maduro não é Chávez”, afirmou a estudante de direito, Isabela Ferrer, 23.

A jovem estava acompanhada pelos pais e tirou muitas fotos durante a chegada do candidato.

“Por ali [apontou para o portão do colégio] passou o próximo presidente da Venezuela”, disse.

Susana Tovar, 52, vive em  há 25 anos e disse que vota em Capriles porque o candidato foi um bom prefeito e governador.

“Não é nem por ser antichavista [que voto em Capriles]. Gosto da maneira como ele governa. Os chavistas dizem que fazem muito pelo povo,  mas Capriles também faz”, disse.

No entanto, Susana afirmou não precisar utilizar nenhum sistema público estadual.

UOL NA VENEZUELA

  • Apesar de apoiar Maduro, Lula vira modelo político de Capriles

  • Com fim oficial da campanha, TVs fazem propaganda disfarçada

  • Bigode de Maduro faz camelôs "bolivarianos" faturarem alto

“Para mim, ele administra bem. Mas se você for a Petare [município pobre do Estado de Miranda, onde Capriles governa], vai ver o que ele faz”, justificou.

Heidi Bravo, 44, vendia água e refrigerantes em frente ao colégio. Apesar de pedidos, ela cumpria a lei seca e não tinha cervejas para oferecer.
Após alguma insistência, disse ao UOL que simpatizava com Maduro. No entanto, a vendedora ainda não havia ido votar. Uma das esperanças da oposição é que a abstenção entre os chavistas seja alta.

"Não tive tempo de sair daqui. Acho que, no fim, vou ficar vendendo e não vou votar”, afirmou.

Capriles chegou vestido com um agasalho da seleção venezuelana de futebol e chegou a ser agarrado por uma eleitora mais exaltada quando entrou no colégio.

Depois de votar, o candidato fez um breve discurso na quadra da escola. "Essas instruções que demos foram cumpridas pelos 23 Estados do país. Agora vamos votar em avalanche, estudantes e todos os que não votaram, como combinamos, até o final do processo de votação", disse.

Capriles afirmou que várias denúncias foram feitas sobre irregularidade durante a eleição e pediu que seus eleitores ajudem na fiscalização das eleições.

"Que ninguém fique sem votar. Todos estes abusos se vencem com o voto. Hoje ganha a Venezuela, não tenha nenhuma dúvida", afirmou.

Celebridade chavista causa tumulto

Poucos minutos antes da entrada de Capriles no colégio Santo Tomás de Villanueva, o jogador de beisebol e cantor Antonio “El Potro” Alvarez foi até o centro eleitoral para também votar.

Na saída, o artista, assumidamente chavista, foi bastante vaiado e xingado pela população local, simpatizante da oposição.

Alvarez chegou a ser empurrado por um antichavista mais exaltado e quase brigou no meio da rua. 

Internacional