PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conflitos após eleição deixam quatro mortos na Venezuela

Do UOL, em São Paulo

16/04/2013 12h15Atualizada em 16/04/2013 12h46

A violência decorrente da contestada eleição presidencial da Venezuela já deixou quatro mortos, afirmou nesta terça-feira (16) a agência de notícias estatal AVN.

Duas pessoas teriam morrido no Estado de Miranda, que inclui parte da capital Caracas, uma no Estado de Táchira, na fronteira com a Colômbia, e outra no Estado de Zulia, depois que confrontos entre apoiadores do governo e oposição se espalharam desde segunda-feira (15).

UOL NA VENEZUELA

  • "Se ganho por um voto, ganhei", diz Maduro em discurso de vitória

  • Partidários de Capriles montam barricadas e fazem panelaço

  • Chavistas celebram proclamação de Maduro e criam teorias para vitória apertada

Herdeiro político de Hugo Chávez, Nicolás Maduro foi eleito no domingo (14) com 50,7 % dos votos, derrotando o candidato da oposição, Henrique Capriles, que obteve 49,1 %, uma disputa mais apertada que o previsto.

Segundo o presidente da Central Bolivariana de Trabalhadores do Estado, Elbano Sánchez, Luis García Polanco, 24, foi assassinado nas primeiras horas da madrugada de hoje, em frente ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), em Zulia, por um grupo de opositores que pediam a recontagem dos votos. "Um deles sacou uma arma e disparou em Luis", explicou.

O chanceler venezuelano Elias Jaua relatou a morte de José Ponce, 45, que se manifestava a favor de Maduro. "O incidente mais grave foi registrado no município de Baruta (a leste de Caracas), onde faleceu por arma de fogo o cidadão José Ponce", informou Jaua.

UOL testemunha protestos

Ontem, partidários de Capriles saíram, no começo da noite, as ruas do bairro de Altamira, no município de Chacao, na Grande Caracas, para protestar contra o resultado da eleição. Além de fazerem um panelaço, os manifestantes, que consideram a eleição fraudulenta, também montaram barricadas. A Guarda Nacional Bolivariana chegou a montar guarda em algumas ruas e disparar bombas de gás lacrimogêneo.

A reportagem do UOL chegou a testemunhar a explosão de uma bomba em uma das ruas. Por sorte, ninguém ficou ferido.

Durante o protesto, os manifestantes gritavam palavras de ordem e cantavam coisas como "vai cair, vai cair, o governo vai cair" e "cada vez mais mil chega por Capriles".

Por causa da manifestação, o metrô e as linhas de ônibus da região foram suspensas. Os restaurantes e o comércio fecharam as portas.

Capriles convocou panelaço

Capriles havia convocado um "panelaço" de protesto contra a proclamação do candidato chavista, que foi anunciada pelo CNE (Conselho Nacional Eleitoral) na tarde de segunda-feira (15).

O protesto foi convocado durante uma coletiva de imprensa do candidato oposicionista. Durante seu pronunciamento, ele disse que o CNE proclamou "uma pessoa ilegítima" como presidente do país, porque não fez a recontagem dos votos antes de tomar esta ação.

Além disso, Capriles pediu que seus eleitores se mobilizem nesta terça (16) para ir "a cada escritório, cada junta regional eleitoral do país, em todos os Estados", e pedir formalmente que os votos de cada urna sejam recontados.

Capriles disse que essa era a primeira parte dos próximos passos tomados para pedir a recontagem total dos votos.

Avisou a seus eleitores "e a todos aqueles interessados em saber a verdade do que aconteceu na Venezuela" que, de posse de todos os protocolos e requerimentos feitos por todo país, irá entregar ao CNE na quarta-feira (17) o pedido formal de recontagem dos votos, "acompanhado de quem puder estar do meu lado nesta caminhada".

O candidato oposionista disse que "aceitará qualquer resultado que resulte da recontagem", mas que se não for atendido no pedido de recontar "cada voto de cada urna do país", irá recorrer a  "instituições internacionais".

Internacional