Topo

Mulher presa por denunciar estupro em Dubai está livre, diz Noruega

Marte (dir.) é abraçada no Centro Norueguês de Marinheiros, em Dubai, nesta segunda-feira (22) - Karim Sahib/AFP
Marte (dir.) é abraçada no Centro Norueguês de Marinheiros, em Dubai, nesta segunda-feira (22) Imagem: Karim Sahib/AFP

Do UOL, em São Paulo

22/07/2013 08h23

O governo de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, anunciou que "perdoou" a norueguesa de 24 anos presa após afirmar que foi estuprada no país. A jovem foi condenada a 16 meses de prisão acusada de ingerir bebida alcoólica, ter relação sexual fora do casamento e atentar contra a decência.

"Marte está livre, graças a todos os que nos ajudaram", afirmou o ministro das Relações Exteriores norueguês, Espen Barth Eide, em seu perfil no microblog Twitter.

Segundo a rede de televisão norte-americana "CNN", o xeque de Dubai, Mohammed bin Rashid Al Maktoum, ordenou que fossem devolvidos o passaporte de Marte Deborah Dalelv e cancelada a aplicação da pena.

"Eu me sinto muito, muito feliz", disse a mulher aos jornalistas, depois de ser informada da decisão. Ela disse que pretende voltar para casa o mais rápido possível.

Seu chefe, a quem ela acusou de tê-la estuprado e que foi condenado a 13 meses de prisão por consumo de álcool e relações sexuais consentidas, também foi indultado, indicou o advogado da norueguesa, Mahmud Azab.

Denúncia e prisão

A norueguesa fez a denúncia por estupro em março, durante uma viagem de negócios pelo país. Segundo Deborah, um colega a violentou após os dois voltarem de uma festa onde beberam.

Assim que relatou o caso à polícia, a vítima teve seu passaporte retido e passou quatro dias em uma cela, até conseguir permissão para telefonar para seus parentes e o consulado norueguês.

Antes do perdão de Dubai, Oslo anunciou que daria apoio judicial à jovem. A história teve ampla repercussão na imprensa norueguesa. 

Mais Internacional