PUBLICIDADE
Topo

Internacional

África do Sul começa preparativos para o funeral de Mandela

Do UOL, em São Paulo

06/12/2013 08h38

Os preparativos para o funeral de Estado do herói da libertação da África do Sul, Nelson Mandela, que morreu na quinta-feira aos 95 anos, começaram nesta sexta-feira (6), com o mundo inteiro de luto.

Vários chefes de Estado, incluindo o presidente americano Barack Obama, e celebridades amigas do ex-presidente sul-africano, como Oprah Winfrey e o casal Bill e Hillary Clinton, comparecerão ao funeral.

Dê sua mensagem: Que lição Nelson Mandela deixa para você?

A data do sepultamento foi marcada para 21 de dezembro, mas algumas pessoas pedem a antecipação para o dia 16, data da Reconciliação na África do Sul, um feriado. Mais detalhes devem ser divulgados nesta sexta-feira.

A reunião de líderes do mundo será uma das mais importantes na África do Sul desde que Mandela tomou posse como o primeiro presidente negro do país, em 1994.

O corpo de Mandela, que faleceu na quinta-feira (5) após uma prolongada luta contra uma infecção pulmonar, permanecerá na sede do governo, em Pretória, a capital.

Um período de luto precederá o funeral de Mandela, durante o qual as bandeiras do país permanecerão a meio mastro. O funeral deve durar 12 dias e seu corpo deverá ser enterrado em um vilarejo na província de Cabo, na zona rural onde nasceu e foi criado.

O herói africano

  • Prêmio Nobel da Paz por sua luta contra a violência racial na África do Sul, Nelson Mandela - ou Madiba, como é chamado na sua terra natal - passou 27 anos preso e se tornou o primeiro presidente negro daquele país.

    Clique na imagem para saber mais

Os sul-africanos devem homenagear o ex-presidente e Prêmio Nobel da Paz em todo o país, incluindo o estádio Soccer City de Johannesburgo, onde foi disputada a final da Copa do Mundo de 2010, onde Mandela fez sua última aparição pública.

O Parlamento será convocado durante o período de recesso para uma sessão especial conjunta em homenagem a Mandela.

Mandela será enterrado em uma cerimônia privada em Qunu, ao lado dos túmulos de familiares. (Com AFP)

 

Internacional