Topo

Cinco aviões avistam objetos que podem ser do voo MH370

BBC/Reprodução
Imagem de objetos avistados por um dos aviões que participa da busca pelos destroços do voo MH370 da Malaysia Airlines. A foto foi tirada por um jornalista que estava a bordo do avião Imagem: BBC/Reprodução

Do UOL, em São Paulo

2014-03-28T08:47:37

28/03/2014 08h47

Cinco dos dez aviões que participam das buscas ao voo MH370 da Malaysia Airlines nesta sexta-feira (28) avistaram ‘objetos’ que podem ser partes do Boeing 777-200. Os objetos foram avistados na nova área de busca onde se concentram os esforços da equipe multinacional de resgate, no sul do oceano Índico. A área de busca foi movida mais de 1.100 km a norte da localização anterior, abrangendo 319.000 km quadrados –uma área equivalente ao território da Polônia.

De acordo com a AASM (Autoridade Australiana de Segurança Marítima, AMSA na sigla em inglês), as primeiras imagens foram captadas por um avião neozelandês. Logo depois, outras quatro aeronaves de um total de dez aviões conseguiu fazer contato visual com objetos. Ainda não foi estabelecido se realmente são destroços do Boeing.

O avião da Força Aérea da Nova Zelândia avistou primeiramente 11 objetos.

Essa é a primeira vez que integrantes da equipe de buscas conseguem estabelecer contato visual com possíveis destroços do voo MH370 na nova área.

O Boeing 777 da Malaysia Airlines decolou de Kuala Lumpur rumo a Pequim na madrugada de 8 de março com 239 ocupantes, mas desapareceu dos radares civis da Malásia cerca de 40 minutos depois.

A bordo, viajavam 154 chineses, 50 malaios (12 da tripulação), sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadenses, um russo, um holandês, um taiuanês e dois iranianos - estes últimos embarcaram com passaportes roubados de um italiano e de um austríaco.

A Malásia anunciou oficialmente em 25 de março que o voo MH370 havia "caído no sul do oceano Índico", sem deixar sobreviventes. Especialistas acreditam que as buscas por destroços e corpos de passageiros vão ultrapassar US$ 200 milhões e seriam as mais caras da história da aviação.

Nova área

A nova área de busca fica a 1.850 km a oeste da cidade australiana de Perth. A mudança no curso da operação foi tomada com base em informações de radar da Austrália, que mostraram que o avião voava a uma velocidade muito maior do que se imaginava anteriormente e, portanto, com maior consumo de combustível, informou o ministro interino dos Transportes da Malásia, Hishamumuddin Hussein. Segundo ele, a preocupação maior do governo é tentar encontrar os destroços avistados pelos satélites para identificar se realmente pertencem ao voo MH370. Ele disse ainda que toda a tecnologia disponível será usada para encontrar a caixa preta do avião.

As caixas-pretas têm baterias para 30 dias, mas Hishamudin prometeu que a busca continuará além desse prazo, se necessário. O governo americano enviou uma máquina que detecta caixas-pretas.

A nova área de buscas é maior, porém mais perto da costa australiana, permitindo que os aviões da força multinacional passem mais tempo na região. Ela é também bem mais favorável em termos climáticos do que a zona anteriormente focada, em torno do paralelo 40, onde tempestades são frequentes.

Durante mais de uma semana, embarcações e aviões de patrulha vinham procurando destroços cerca de 2.500 quilômetros a sudoeste da cidade de Perth, onde imagens de satélite indicavam a possível presença de destroços do MH370.

O governo da Malásia recebeu imagens de satélite fornecidas pelo Japão e pela Tailândia nesta quinta-feira. Um satélite japonês detectou uma dezena de objetos flutuantes a cerca de 2,5 mil quilômetros ao sudoeste do litoral australiano. As imagens captadas pelo satélite japonês e analisadas pelo centro de inteligência do país mostram objetos de até oito metros de comprimento e quatro metros de largura.
 
Anteriormente, Tailândia e França anunciaram que seus satélites encontraram 300 e 122 objetos flutuantes, respectivamente, todos ao sudoeste de Perth. (Com agências internacionais)

Mais Internacional