PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Líderes palestinos denunciam massacre cometido por Israel no leste de Gaza

Do UOL, em São Paulo

20/07/2014 10h28Atualizada em 20/07/2014 11h47

O governo e a presidência palestinas denunciaram neste domingo (20) um "massacre atroz" no bairro de Shajaya, periferia leste da cidade de Gaza, onde ao menos 62 palestinos foram mortos nos bombardeios israelenses.

"O governo palestino condena de maneira firme o massacre atroz cometido pelas forças de ocupação israelenses contra os civis inocentes de Shajaya", afirma um comunicado, que chama a comunidade internacional a "reagir imediatamente contra este crime de guerra".

Por sua vez, o chefe da Liga Árabe, Nabil al-Arabi, chamou de "crime de guerra" os bombardeios a esta localidade, apelando ao "fim imediato" da ofensiva israelense contra o enclave palestino.

Milhares de pessoas tentam abandonar o populoso bairro de Shujaiya, no leste da faixa de Gaza, neste sábado (19) à noite, após Israel ter expandido sua ofensiva terrestre contra o Hamas na faixa de Gaza. Moradores relataram os maiores bombardeios por terra e ar desde o início do conflito, há 13 dias.

Mais de 50 pessoas, incluindo 17 crianças, 14 mulheres e 4 idosos, morreram no distrito durante a noite, disseram médicos, em vários ataques israelenses sobre casas da área, o que eleva para mais de 400 palestinos mortos, a maioria civis, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), nesta nova fase do conflito. Dois civis israelenses morreram.  

Mapa Israel, Cisjordânia e Gaza - Arte/UOL - Arte/UOL
Mapa mostra localização de Israel, Cisjordânia e Gaza
Imagem: Arte/UOL

Moradores de Gaza relataram terem ouvido explosões durante toda a noite de sábado. Um ataque aéreo no subúrbio de Shejaiya atingiu a casa da autoridade do Hamas Khalil al-Hayya, deixando quatro mortos, incluindo seu filho e nora, disseram médicos palestinos.

Responsáveis de saúde temem que o número de mortos possa crescer de forma considerável ao longo do dia, pois a população que foge fala em grande destruição e corpos espalhados pela rua. Além disso, os serviços de emergência e as ambulâncias não podem chegar à zona devido à intensidade dos tiros de canhão, que se repetem a cada dez segundos.

Cessar-fogo momentâneo fracassa

O Hamas e Israel anunciaram que tinham aceitado um pedido do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para observar uma trégua humanitária entre 10h30 e 12h30 (7h30 e 9h30 no horário de Brasília) em Shajaya.

Contudo, pouco depois, Israel voltou a atacar, afirmando responder ao Hamas.

O Exército israelense intensificou nesta noite sua incursão terrestre em Gaza, penetrando mais rumo ao interior, depois que em apenas 72 horas cinco soldados morreram em combate. Apesar da ofensiva israelense, militantes continuam a lançar foguetes contra Israel.

O Exército israelense disse em comunicado que "forças adicionais" se juntaram ao "esforço de combater o terror" em Gaza. O coronel Peter Lerner, porta-voz do Exército israelense, acrescentou que a ofensiva terrestre estava sendo ampliada para "restabelecer a segurança e a estabilidade dos moradores e cidadãos de Israel".

A ONU alertou para o fim do estoque de suprimentos para ajudar mais de 50 mil palestinos que se abrigam em escolas da entidade em Gaza. Uma autoridade do órgão disse que o número de pessoas deixando suas casas é maior do que o esperado, com as fronteiras de Gaza com Israel e Egito fechada para palestinos.

Corrida diplomática

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, deverá se reunir com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, no Catar, como parte de esforços na região para que israelenses e palestinos "encerrem a violência e encontrem um caminho", disse a entidade.

Abbas também deverá se reunir com o líder do Hamas, Khaled Meshaal, em uma tentativa de convencer o grupo islâmico que governa Gaza a aceitar um acordo para encerrar o conflito.

Esforços diplomáticos para um cessar-fogo não chegaram a um acordo.

O ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, se reuniu com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, no sábado, mas disse que as tentativas de se chegar a uma trégua fracassaram.

"Infelizmente, eu posso dizer que o pedido por um cessar-fogo não foi ouvido, pelo contrário, há o risco de mais mortes civis, o que nos deixa preocupados", disse ele a jornalistas.

O Hamas rejeitou um cessar-fogo mediado pelo Egito na semana passada, alegando que qualquer acordo com Israel deve envolver um fim ao bloqueio à Gaza.

Mais sobre o conflito entre Israel e o Hamas

  • UOL

    Embaixador da Palestina

    Israel faz "guerra aberta ao povo palestino", diz embaixador da Palestina

  • Divulgação/PR

    Embaixador de Israel

    "O Hamas é o câncer da Palestina", diz embaixador de Israel no Brasil

  • Mohammed Saber/Efe/Epa

    Batalha assimétrica

    O conflito entre militares israelenses e braços armados do Hamas e de outros grupos palestinos na faixa de Gaza é uma clássica batalha assimétrica. Os dois lados estão longe de serem equiparáveis em termos de poder de fogo, mas ainda assim podem exercer grande pressão um sobre o outro.

  • Arquivo pessoal

    Brasileiros na região

    A freira brasileira Maria Laudis teve que abandonar a igreja e todos seus pertences na casa onde morava na faixa de Gaza para proteger a própria vida. O imóvel ao lado de onde a religiosa pernambucana vivia foi alvo de um dos projéteis lançados por Israel.

Conheça os pontos da negociação entre Israel e palestinos

  • Reprodução/BBC

    Estado palestino

    Os palestinos querem um Estado plenamente soberano e independente na Cisjordânia e na faixa de Gaza, com a capital em Jerusalém Oriental. Israel quer um Estado palestino desmilitarizado, presença militar no Vale da Cisjordânia da Jordânia e manutenção do controle de seu espaço aéreo e das fronteiras exteriores

  • Mohamad Torokman/Reuters

    Fronteiras e assentamentos judeus

    Os palestinos querem que Israel saia dos territórios que ocupou após a Guerra dos Seis Dias (1967) e desmantele por completo os assentamentos judeus que avançam a fronteira, considerados ilegais pela ONU. Qualquer área dada a Israel seria recompensada. Israel descarta voltar às fronteiras anteriores a 1967, mas aceita deixar partes da Cisjordânia se puder anexar os maiores assentamentos.

  • Cindy Wilk/UOL

    Jerusalém

    Israel anexou a área árabe da Jordânia após 1967 e não aceita a dividir Jerusalém por considerar o local o centro político e religioso da população judia. Já os palestinos querem o leste de Jerusalém como capital do futuro Estado da Palestina. O leste de Jerusalém é considerado um dos lugares sagrados do Islã. A comunidade não reconhece a anexação feita por Israel.

  • Agência da ONU de Assistência aos Refugiados Palestinos

    Refugiados

    Há cerca de 5 milhões de refugiados palestinos, a maioria deles descendentes dos 760 mil palestinos que foram expulsos de suas terras na criação do Estado de Israel, em 1948. Os palestinos exigem que Israel reconheça seu "direito ao retorno", o que Israel rejeita por temer a destruição do Estado de Israel pela demografia. Já Israel quer que os palestinos reconheçam seu Estado.

  • Mahfouz Abu / EFE

    Segurança

    Israel teme que um Estado palestino caia nas mãos do grupo extremista Hamas e seja usado para atacar os judeus. Por isso, insiste em manter medidas de segurança no vale do rio Jordão e pedem que o Estado palestino seja amplamente desmilitarizado. Já os palestinos querem que seu Estado tenha o máximo de atributos de um Estado comum.

  • Abbas Momani/AFP

    Água

    Israel controla a maioria das fontes subterrâneas da Cisjordânia. Os palestinos querem uma distribuição mais igualitária do recurso.

Internacional