PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Israel retira tropas da faixa de Gaza

Do UOL, em São Paulo

05/08/2014 03h03Atualizada em 05/08/2014 10h42

O Exército de Israel anunciou na madrugada desta terça-feira (5) a retirada de todas as suas tropas terrestres da faixa de Gaza, antes da entrada em vigor, às 8h locais (2h de Brasília), do cessar-fogo de 72 horas mediado pelo Egito. Segundo o tenente-coronel Peter Lerner, as tropas foram deslocadas para "posições defensivas" em território israelense.

Mapa Israel, Cisjordânia e Gaza - Arte/UOL - Arte/UOL
Mapa mostra localização de Israel, Cisjordânia e Gaza
Imagem: Arte/UOL

O anúncio da retirada foi dado momentos antes da última trégua entrar em vigor. O governo de Israel afirma que o objetivo principal do conflito - destruir túneis do Hamas - foi alcançado. O Exército israelense diz ter atingido 32 túneis usados por militantes islâmicos.

"As Forças de Defesa de Israel serão redistribuídos em posições defensivas fora da faixa de Gaza e vamos manter essas posições defensivas", disse Lerner.

Minutos antes de entrar em vigor o cessar-fogo,  sirenes soaram em Jerusalém e Tel Aviv, alertando para ataques aéreos disparados de Gaza por militantes do Hamas. Israel também realizou cinco ataques aéreos contra a faixa de Gaza momentos antes do início do acordo.

Nas últimas quatro semanas, diversas tréguas foram anunciadas mas poucas duraram, com ambos os lados trocando acusações sobre violações.

Nesta ocasião, a trégua foi acertada no Cairo, em reuniões de diversos grupos palestinos. Israel não participou das conversas. O governo de Israel ainda afirma, segundo o jornal israelense "Haaretz", que se opõe à participação do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, em qualquer arranjo na faixa de Gaza após o cessar-fogo.

Além da retirada das tropas israelenses de Gaza, palestinos exigem o fim do bloqueio imposto ao território desde 2007 e a reabertura das fronteiras. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, elogiou o cessar-fogo e pediu que ambos os lados negociem no Egito o mais rápido possível.

Borda de Proteção

A atual operação militar de Israel na faixa de Gaza foi lançada em 8 de julho, intitulada de Operação Borda de Proteção, e foi motivada pelo sequestro e morte de três jovens judeus em uma colônia israelense na Cisjordânia palestina. Ao sequestro, seguiu-se o rapto e assassinato de um jovem palestino em Jerusalém.

Os supostos autores do crime contra o palestino foram presos. Israel acusa o Hamas do primeiro sequestro; o grupo islâmico nega envolvimento.

Apesar dos casos de sequestro, a operação Borda de Proteção tem o objetivo declarado de acabar com os ataques com foguetes e destruir túneis usados por militantes do Hamas.

Segundo autoridades palestinas, mais de 1.800 pessoas foram mortas na faixa de Gaza desde 8 de julho, a maioria civis. Outros 67 israelenses, a maioria soldados, também foram mortos no conflito. (Com agências internacionais)

Mais sobre o conflito entre Israel e o Hamas

  • UOL

    Embaixador da Palestina

    Israel faz "guerra aberta ao povo palestino", diz embaixador da Palestina

  • Divulgação/PR

    Embaixador de Israel

    "O Hamas é o câncer da Palestina", diz embaixador de Israel no Brasil

  • Mohammed Saber/Efe/Epa

    Batalha assimétrica

    O conflito entre militares israelenses e braços armados do Hamas e de outros grupos palestinos na faixa de Gaza é uma clássica batalha assimétrica. Os dois lados estão longe de serem equiparáveis em termos de poder de fogo, mas ainda assim podem exercer grande pressão um sobre o outro.

  • Arquivo pessoal

    Brasileiros na região

    A freira brasileira Maria Laudis teve que abandonar a igreja e todos seus pertences na casa onde morava na faixa de Gaza para proteger a própria vida. O imóvel ao lado de onde a religiosa pernambucana vivia foi alvo de um dos projéteis lançados por Israel.

Internacional