Topo

Buscas suspensas por voo desaparecido; CEO da AirAsia se diz "devastado"

Do UOL, em São Paulo

28/12/2014 10h07Atualizada em 29/12/2014 11h27

O presidente da AirAsia, Tony Fernandes, se disse devastado com o acidente com o avião da companhia, que desapareceu neste domingo (28) quando voava da Indonésia até Cingapura com 162 pessoas a bordo. 

“Estamos devastados com o que está acontecendo, é inacreditável", afirmou durante uma coletiva de imprensa ao lado de outros executivos da empresa. "Nós esperamos que a aeronave seja encontrada rápido, e que possamos descobrir a causa do que aconteceu."

Os Estados Unidos, segundo fontes citadas pela agência de notícias France-Presse, se colocaram à disposição neste domingo (28) para ajudar nas buscas. "As autoridades da região dirigem as operações de busca do avião desaparecido. Como já ocorreu no passado, os Estados Unidos estão dispostos a ajudar, de qualquer maneira possível", disse um funcionário do departamento de Estado.

Um oficial do Pentágono informou que até o momento os Estados Unidos não receberam "qualquer pedido de assistência". Segundo a Casa Branca, o presidente Barack Obama - atualmente de férias no Havaí - foi informado do incidente.

Segundo informações do Ministério do Transporte indonésio, as buscas pela aeronave foram suspensas até o começo da manhã.

"Nós suspendemos [as buscas] às 17h30 [8h30 no horário de Brasília] porque está ficando escuro. O tempo também não está bom e está ficando nublado”, declarou Hadi Mustafa, ministro do Transporte. "Amanhã, vamos começar [as buscas]  às 7h (22h de domingo em Brasília) ou até antes se o tempo estiver bom”, afirmou.

Apesar das declarações do ministro, um funcionário da Agência Nacional de Busca e Resgate citado pela agência de notícias Associated Press disse que foram suspensas as buscas aéreas, mas que "alguns" navios ainda estão na área onde o aeronave perdeu contato.

O avião, um Airbus 320-200 que fazia o voo QZ-8501, decolou de Surabaia, na ilha de Java, às 5h20 de hoje (hora local) e deveria chegar em Cingapura às 8h30 (22h30 de sábado em Brasília). A aeronave, porém, perdeu contato com a torre de comando cerca de 40 minutos após partir.

O Airbus transportava 155 passageiros, incluindo 16 crianças e um bebê, e uma tripulação de dois pilotos, um mecânico e quatro comissários de bordo. A AirAsia informou que os passageiros e tripulantes eram 156 indonésios, três coreanos, um francês, um malaio e um cingapuriano. Dezenas de familiares dos passageiros aguardam por notícias no aeroporto de Surabaia. 

Fontes da Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia afirmaram que o avião provavelmente caiu no mar próximo à ilha de Belitung, entre Sumatra e Bornéu, segundo o jornal "Jakarta Post".

Embora circulem na imprensa indonésia informações de que pelo menos um objeto que poderia ser um destroço da aeronave tenha sido localizado, as autoridades do país não confirmaram nem desmentiram a informação.

Piloto relatou mau tempo

Segundo o Ministério de Transporte da Indonésia e a AirAsia, o piloto do avião solicitou à torre de controle uma mudança de rumo devido ao mau tempo.

Um porta-voz do ministério disse que o piloto do Airbus, que voava cerca de 32 mil pés de altura (9,76 quilômetros), pediu permissão para subir até os 38 mil (11,59 quilômetros), segundo o diário local "Jakarta Globe".

O porta-voz disse que esta solicitação aconteceu às 6h12 hora local, menos de uma hora depois de decolar. O piloto, no entanto, não emitiu uma chamada de socorro.

Avião desaparecido em março

Um avião da companhia aérea Malaysia Airlines com 239 pessoas a bordo que viajava de Kuala Lumpur para Pequim desapareceu em 8 de março de 2014 e não se voltou a saber dele.

Os investigadores acreditam que o voo MH370 foi desviado de seu rumo e acabou caindo por falta de combustível em um lugar remoto do sul do oceano Índico.

Internacional