Reino Unido condena Rússia por assassinato e cobra extradição de envolvidos

Do UOL, em São Paulo

  • Xinhua/Paul Ellis/PA Wire/ZUAMAPRESS

    Em imagem de arquivo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron

    Em imagem de arquivo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron

O Reino Unido condenou a Rússia pelo relatório da Justiça britânica que indica a "provável" participação do governo de Vladimir Putin na morte do ex-espião russo Alexander Litvinenko, em Londres, em 2006. O governo de Putin nega as acusações.

Ex-agente da KGB, Litvinenko fugiu da Rússia em 2000 e atuava como colaborador para o MI6, o serviço de inteligência britânico, quando morreu após tomar um chá envenenado em um encontro com Andrei K. Lugovoi e Dmitri V. Kovtun, dois cidadãos russos.

Uma porta-voz do primeiro-ministro britânico David Cameron declarou que o fato de o crime ter sido "autorizado pelo mais alto nível do Estado russo é extremamente perturbador". "Não é uma maneira de se comportar, menos ainda para um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. À luz das descobertas da investigação, estamos avaliando quais medidas adicionais tomar", afirmou a porta-voz.

Já Theresa May, ministra do Interior britânica, convocou o embaixador russo em Londres para comentar as conclusões do juiz Robert Owen e anunciou que serão congelados os bens dos dois supostos executores do envenenamento. Lugovoi, ex-guarda-costas da KGB e hoje parlamentar na Rússia, e Kovtun, ex-oficial do Exército Vermelho, não concederam depoimentos para o relatório, mas já tinham negado anteriormente a autoria do assassinato.

A polícia britânica, por sua vez, exigiu mais uma vez a extradição dos dois acusados --a Rússia diz que sua Constituição proíbe a extradição de seus próprios cidadãos. "Há ordens de prisão vigentes contra Andrei Lugovoi e Dimitri Kovtun. Nosso objetivo será sempre levá-los ante uma Corte penal", declarou a Scotland Yard.

Apesar do repúdio, o governo britânico não sancionou diretamente a Rússia ou seu presidente, o que motivou críticas de políticos da oposição que ouviram o depoimento de Theresa May no Parlamento.

O trabalhista Andy Burnham, líder da oposição na Casa, disse que o governo deveria reavaliar a presença de agentes de inteligência russa em todo o Reino Unido, além de considerar a hipótese de fazer lobby contra a realização da Copa do Mundo de 2018 na Rússia. Sobre isto, May respondeu que o governo não deve decidir sobre questões relacionadas a eventos esportivos.

Questionada sobre o que o governo britânico faria em relação a Putin e Nikolai Patrushev, diretor do serviço de inteligência russo e também acusado no relatório, May disse que Patrushev recebeu sanções, mas mover uma ação legal contra um chefe de Estado era uma questão diferente.

Segundo ela, o premiê David Cameron discutirá o relatório com Putin quando possível.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos