Austeridade terrorista: Estado Islâmico corta salários e vende terras por causa da crise

Em São Paulo

  • Reuters

Realmente não está fácil para ninguém. A crise financeira global afeta até mesmo os grupos terroristas. De acordo com um artigo publicado pelo jornal "El Mundo", o Estado Islâmico estaria realizando um tipo de programa de contenção de custos como reflexo de possíveis ataques aéreos da aliança militar liderada pelos EUA.

A informação veio de Hashem al Hashimi, assessor do governo iraquiano e uma importante fonte sobre o grupo terrorista. "Viram-se obrigados a reduzir pela metade o salário dos dirigentes e em 30% o de todos os soldados e militares", disse à publicação referindo-se à situação em Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, que está sob controle do grupo desde junho de 2014.

Além dos cortes salariais, o Estado Islâmico também está realizando vendas de propriedade confiscadas de cidadãos cristãos, que foram obrigados a sair da cidade depois da chegada do grupo terrorista em 2014. "Os preços dos alimentos sobem diariamente e o Estado Islâmico tenta compensar as perdas com o aumento de impostos. A saúde também já começou a sentir. Os medicamentos estão ficando mais caros e as cirurgias estão reservadas para quem pertence ao Estado Islâmico", disse o assessor do governo iraquiano.

Ainda de acordo com a publicação, os cortes de despesas também estão sendo aplicados em território sírio. Neste caso, os bombardeios a refinarias e caminhões de transporte de petróleo --a maior fonte de rendimento do Estado Islâmico, seguido do tráfico de antiguidades e resgates por rapto de pessoas-- atingiram de forma contundente as finanças do califado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos