Réplica de terremoto causa mais destruição e provoca pânico na Itália

Do UOL, em São Paulo

  • Remo Casilli/ Reuters

    Ferido caminha em estrada após terremoto em Amatrice, Itália

    Ferido caminha em estrada após terremoto em Amatrice, Itália

Uma réplica de magnitude 4,3 na escala Richter sacudiu nesta quinta-feira (25) as cidades do Lazio e de Marche, na zona central da Itália, que foi atingida ontem por um terremoto de magnitude 6,2. O abalo sísmico foi registrado às 14h35 locais (9h35 em Brasília) e provocou novos desabamentos de casas e edifícios, principalmente em Amatrice. Houve pânico entre os habitantes de Amatrice, segundo a agência de notícias Associated Press.

O tremor causou a queda da fachada de um prédio situado junto ao parque de Amatrice, onde há um alojamento temporário para voluntários que trabalham no resgate, segundo a agência de notícias Efe.

"Não acontece nada, não acontece nada", uma mãe dizia para tranquilizar sua filha pequena que saiu correndo quando começou um novo tremor.

O Instituto Italiano de Geofísica e Vulcanologia registrou mais de 470 tremores desde o grande terremoto da madrugada de ontem. A maioria destas réplicas se situou entre a magnitude 3 e 4, mas na zona de Norcia aconteceu um novo tremor de magnitude 5,4 às 4h33 locais (23h33, em Brasília).

Arte UOL
Região de Rieti foi o epicentro do terremoto

Pouco depois ocorreu outro de magnitude 4,5 com epicentro em Accumoli, na mesma região do terremoto que arrasou o centro da Itália.

O terremoto na madrugada de quarta-feira (24) na região central da Itália deixou pelo menos 241 mortos, de acordo com balanço divulgado pelo departamento de Proteção Civil do país nesta quinta (25).

Mais cedo, Immacolata Postiglione, diretora do serviço de emergências do departamento de Proteção Civil, citou que havia 247 mortos por causa do terremoto, mas depois revisou o número para baixo, citando ajustes na lista de vítimas na área de Arquata, bastante atingida.

O terremoto, de magnitude 6,2, atingiu cidades e vilarejos montanhosos do centro do país, o que torna as operações de resgate ainda mais difíceis. Há mais de 350 feridos.

Segundo fontes da Defesa Civil citadas pelos meios de comunicação locais, o número de mortes ainda deve aumentar, já que dezenas de pessoas continuam desaparecidas entre os escombros. Passadas mais de um dia do tremor, os trabalhos de resgate prosseguem pelo país.

As equipes de resgate trabalharam durante toda a noite nas localidades mais afetadas Arquata del Tronto, Pescada del Tronto, Amatrice e Accumoli. (Com as agências internacionais)

Menina é resgatada após 15 horas sob os escombros

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos