Trump promete fechar fronteiras dos EUA para determinados imigrantes

Do UOL, em São Paulo

  • William Philpott/ Reuters

    O presidente eleito dos EUA Donald Trump discursa durante comício em Cincinnati, Ohio

    O presidente eleito dos EUA Donald Trump discursa durante comício em Cincinnati, Ohio

O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, iniciou uma "turnê de agradecimentos" pós-eleição na quinta-feira (1º) se manifestando contra a globalização, prometendo o retorno de empregos em fábricas para trabalhadores norte-americanos e prometendo fechar as fronteiras dos EUA para determinados imigrantes do Oriente Médio.

Citando um ataque no campus da Universidade do Estado de Ohio realizado nesta semana por um imigrante da Somália, Trump disse que tais ameaças contra norte-americanos são "criadas por nossos políticos muito, muito estúpidos e programas de refugiados".

Para proteger os Estados Unidos de novos ataques, Trump disse que irá suspender imigração "de regiões onde (pessoas) não podem ser checadas de forma segura", incluindo alguns países do Oriente Médio.

"Pessoas estão chegando de regiões do Oriente Médio. Não temos ideia de quem são, de onde vem, o que estão pensando e vamos acabar com as mortes", disse Trump.

No passado, Trump disse que iria banir a entrada de todos os muçulmanos nos Estados Unidos.

Falando em uma arena que estava quase lotada, Trump agitou a multidão ao atacar repetidamente a mídia "extremamente desonesta" e invocando a mensagem que resultou em milhões de eleitores. "Não há hino global, não há moeda global, não há certificado de cidadania global. Juramos lealdade à uma bandeira e esta bandeira é a bandeira dos Estados Unidos", disse Trump.

"A partir de agora será primeiro os Estados Unidos, ok?", disse Trump, à medida que destacava criações de empregos a partir de acordos comerciais que planeja renegociar, incluindo o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio.

O presidente eleito voltou a pedir a união dos norte-americanos, lembrando que o período eleitoral já passou.

"Somos um país dividido, mas não permaneceremos divididos por um longo tempo. Reunificarei o país porque para vencer precisamos de todos os norte-americanos, sem distinção de raça, idade, renda, geografia. Agora é tempo de unir-se", disse.

Trump ainda se defendeu das críticas de que está formando uma governo de bilionários, nomeando apenas pessoas que possuem um alto poder aquisitivo. "Eles são ricos porque sabem fazer dinheiro", disse.

Ao mencionar que "foi divertido combater [Hillary] Clinton" durante a campanha eleitoral, o presidente eleito ouviu um coro de "na prisão, na prisão". Durante a campanha, Trump disse que Hillary "deveria ser presa" pelo caso dos e-mails particulares que usou enquanto era secretária de Estado do governo de Barack Obama.

Apesar das ameaças, em entrevistas após ser eleito, Trump afirmou que "não quer fazer mal aos Clintons" e que não iria dar andamento a esse tipo de acusação. (Com as agências internacionais)

Putin oferece a Trump aliança contra terrorismo internacional

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos