Não existe privacidade absoluta nos EUA, diz diretor do FBI

Do UOL, em São Paulo

  • iStock

O diretor do FBI, James Comey, afirmou nesta quarta-feira (8) que os americanos não devem ter ilusões de que gozam de uma "privacidade absoluta", segundo declarações citadas pela rede CNN.

"Não existe privacidade absoluta na América: não há nada fora do alcance judicial", afirmou Comey em uma conferência sobre cibersegurança em uma universidade em Boston.

A declaração ocorre um dia após o WikiLeaks revelar que a CIA é capaz de realizar escutas através de iPhones, do WhatsApp e até de aparelhos de TV.

Comey relativizou, porém, o alcance da agência.

"Os americanos têm uma expectativa razoável de privacidade em suas casas, em seus carros, em seus aparelhos. É uma parte vital de ser americano. O governo não pode invadir nossa privacidade sem uma boa razão, revisável em uma corte de justiça", afirmou, ainda segundo a CNN.

De acordo com Comey, o FBI ganhou acesso judicial a 2.800 aparelhos obtidos em investigações criminais, de terrorismo e de contrainteligência nos últimos quatro meses de 2016. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos