Ataques a parlamento iraniano e mausoléu do aiatolá Khomeini deixam mortos

Do UOL, em São Paulo

  • Omid Vahabzadeh via AP

    Homem entrega criança a guarda por uma janela do Parlamento iraniano após ataque

    Homem entrega criança a guarda por uma janela do Parlamento iraniano após ataque

O Parlamento iraniano e o santuário do aiatolá Ruhollah Khomeini, fundador da República Islâmica, foram alvos de dois ataques aparentemente coordenados na manhã desta quarta-feira (7) em Teerã e que deixaram ao menos 12 mortos e vários feridos, segundo o diretor do serviço de emergências Pir-Hossein Kolivand.

As forças de segurança conseguiram, após quase cinco horas, controlar a situação nos dois locais que foram alvos de ataques, cuja autoria foi assumida pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI).

Os dois ataques foram realizados por "combatentes" do EI, disse o grupo terrorista, através da "Amaq", que entrevista "uma fonte de segurança" do EI.

Em um segundo comunicado, a agência afirmou que o atentado contra o mausoléu de Khomeini foi realizado por dois suicidas que levavam coletes com explosivos.

O vice-ministro das Relações Exteriores do Irã disse que as forças de segurança do país cercaram os agressores que invadiram o Parlamento iraniano, no centro de Teerã.

Arte UOL

Os agressores, que estavam vestidos como mulheres, entraram pelo portão principal do Parlamento e abriram fogo, disse o vice-ministro das Relações Exteriores, Mohammad Hossein Zolfaghari, segundo a agência de notícias Tasnim. "Um dos agressores no Parlamento foi morto a tiros e um detonou um colete suicida", acrescentou.

Informações iniciais davam conta de que quatro homens armados com rifles e uma pistola, um deles sendo um homem-bomba, teriam aberto fogo no Parlamento. Na mesma hora, a cerca de 20 quilômetros ao sul, outros quatro homens teriam realizado ataque no santuário onde estão depositados os restos mortais de Khomeini.

Segundo a polícia, a ação no Parlamento terminou com a morte de todos os quatro terroristas.

Três agressores foram mortos e um se matou, segundo a televisão estatal, que confirmou, além disso, que a situação está sob controle no mausoléu do aiatolá Khomeini.

O número de vítimas ainda não são oficiais mas, segundo várias agências iranianas, seriam oito mortos, sete no Parlamento e um no mausoléu, e dezenas de feridos.

Posteriormente, segundo a agência Efe, o Ministério de Inteligência iraniano informou que uma célula terrorista foi desarticulada e seus membros presos antes que uma terceira ação fosse posta em prática. Ainda segundo a Efe, integrantes dos outros dois grupos foram mortos ou se suicidaram durante os ataques. Um deles foi abatido antes de conseguir detonar seus explosivos. 

Em seu perfil no Twitter, a rede de TV afiliada ao governo divulgou imagens da movimentação ao redor do Parlamento logo depois de os primeiros disparos serem ouvidos, com sirenes indicando a chegada da polícia.

Segundo o embaixador do Brasil no Irã, Rodrigo de Azevedo Santos, não há informações de brasileiros entre as vítimas dos ataques. A comunidade brasileira, segundo o embaixador, é de cerca de 400 pessoas.

Os ataques no Teerã ocorrem um dia depois de um homem ter agredido um policial em Paris, tendo dito fazê-lo em nome da Síria, e quatro dias após o atentado registrado na London Bridge e que deixou sete mortos e dezenas de feridos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos