Arábia Saudita liberta jovem que apareceu de minissaia em vídeo nas redes sociais

Do UOL, em São Paulo

A polícia da Arábia Saudita liberou a jovem que foi presa após aparecer de minissaia e blusa justa em um vídeo que se tornou viral nas redes sociais. A jovem também não foi acusada por nenhum crime.

A decisão de não ser formalizar uma acusação contra a jovem é considerada uma rara vitória entre os apoiadores dos direitos das mulheres na Arábia Saudita, que criticaram os ataques sofridos pela saudita.

Um comunicado do Centro de Comunicação Internacional disse que a polícia liberou a mulher. Ele diz que a jovem, que não teve o nome divulgado, foi solta na noite de terça-feira (18) depois de algumas horas de interrogatório. Ela disse aos investigadores que o vídeo foi publicado na rede social sem o conhecimento dela. "Ela foi solta sem acusação e o caso foi encerrado pelo procurador", diz o comunicado.

A jovem saudita agitou as redes sociais no final de semana após publicar um vídeo dela vestida de minissaia e blusa justa caminhando em local público. Alguns sauditas pediram para ela ser presa enquanto outros a defenderam.

A TV estatal saudita disse na terça-feira (18) que a polícia da capital Riad prendeu a mulher por vestir "roupas imodestas".

O país tem regras rígidas para vestimenta para mulheres. Elas devem vestir roupas longas e folgadas conhecidas como "abayas" quando estiverem em público. Muitas mulheres também cobrem o cabelo e o rosto com um véu negro.

O vídeo foi inicialmente compartilhado no Snapchat e mostra a jovem caminhando em uma área vazia de um forte histórico em Ushaiager, uma vila ao norte da capital, Riad, na região do deserto de Najd, local de origem de muitas das tribos e famílias conservadoras da Arábia Saudita.

A atenção internacional provocada pelo caso pode ter ajudado na rápida liberação da jovem. Algumas mulheres que alegam ter fugido de famílias abusivas são presas sem acusação formal e outras já foram detidas por desafiar a lei saudita que proíbe mulheres de dirigirem.

Após a publicação do vídeo, o Twitter foi inundado com usuários pedindo a prisão da mulher e outros defendendo que a liberdade de se vestir não deveria ser considerada crime.

Ibrahim al-Munayif, um escritor saudita com mais de 41.000 seguidores no Twitter, escreveu em seu perfil oficial que permitir que pessoas desobedeçam a lei leva ao caos. "Assim como nós chamamos as pessoas a respeitar as leis quando elas viajaram para cá, as pessoas deveriam respeitar as leis de seu país", escreveu.

Outros defenderam a jovem publicando imagens do presidente dos EUA Donald Trump visitando a Arábia Saudita, em maio. Na ocasião, a primeira-dama americana Melania Trump e a filha Ivanka estavam vestidas com trajes com mangas longas e cobertas até o pescoço, mas não tinham a cabeça coberta ou usaram a abaya.

Mandel Ngan/ AFP
A primeira-dama Melania Trump conversa com o príncipe saudita Nayef bin Abdulaziz al-Saud durante recepção na corte em Riad

É comum ver nas ruas da Arábia Saudita imagens com o rosto de mulheres borrado ou pixelizado (alterado por computador para não revelar a identidade) em cartazes e outdoors. Em contraste, imagens gigantes dos homens da realeza saudita são exibidas em todo o país.

As redes sociais são bastante populares na conservadora Arábia Saudita. Mais da metade da população do país tem menos de 25 anos.

Sergey Ponomarev/The New York Times
Mulheres sauditas usando abayas em evento público em Riad

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos