PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Garotos vão à escola na Califórnia com ombros à mostra em apoio a colegas vetadas

Garotos deixam ombros à mostra em apoio a colegas de escola - Acervo pessoal
Garotos deixam ombros à mostra em apoio a colegas de escola Imagem: Acervo pessoal

Colaboração para o UOL

27/08/2017 11h23

Os alunos que voltaram para a escola secundária San Benito, em Hollister, na Califórnia, em 14 de agosto, se surpreenderam com as regras para o novo ano letivo: a partir daquela data, nenhuma garota deveria usar camisetas que deixassem os ombros à mostra. Em protesto, alguns garotos passaram a frequentar as aulas usando esse mesmo modelo de roupa.

Cerca de 3 mil estudantes do colégio se disseram surpresas quando acabaram citadas recentemente por violação ao código de vestimenta, regra tecnicamente banida da escola há anos, mas que voltou na semana passada.

Os protestos começaram de fato depois que algumas meninas foram proibidas de tirar a foto oficial de retorno às aulas justamente porque posaram mostrando os ombros.

Como resultado, muitas estudantes decidiram protestar contra a aplicação da regra vestindo exatamente isso. Foi então que alguns garotos expressaram sua solidariedade fazendo o mesmo. “O código de vestimenta não tem sido um problema nos últimos dois anos que eu estudei aqui", afirmou uma garota ao Yahoo Style, que preferiu sigilo quanto à sua identidade a pedido dos pais.

Este ano, no entanto, as coisas mudaram. A aluna diz que no primeiro dia de aula ela encontrou na diretoria "50 garotas e dois garotos” detidos por violações do código de vestimenta.

“Camisetas desse modelo são uma tendência muito grande no setor da moda", acrescenta. "Não está prejudicando ninguém fisicamente. Acho ridículo eu ter que lutar para usar uma camisa que não está prejudicando ninguém".

Ela diz que a justificativa da diretoria é que a decisão “é para a nossa própria segurança, mas não entendo do que eles estão nos protegendo”. “Eu realmente não acho que exista um idiota que vá puxar uma camiseta. Eles não têm o direito de me tocar ou a qualquer outra pessoa. Eles estão se concentrando em coisas menos importantes aqui."

Ela afirma que preferiria que a administração focasse seus esforços em oferecer maior quantidade de comida na lanchonete para reduzir as filas do almoço. "Meus amigos também acham isso ridículo e tiram sarro da situação.”

Procurado pela reportagem do site norte-americano, o diretor da escola, Adrian Ramirez, afirmou que “os recentes eventos sobre as camisetas ofereceram alguns dos principais momentos de ensino para toda a comunidade”.

Internacional