Topo

Quem são as personalidades que Eduardo Bolsonaro encontrou nos EUA

Reprodução / TV Globo
Eduardo Bolsonaro, deputado federal e filho do presidente eleito, articula relações com os EUA para o próximo governo Imagem: Reprodução / TV Globo

Marcelo Freire

Do UOL, em São Paulo

29/11/2018 04h01

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, (PSL) se encontra nesta quinta-feira (29) com John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional do governo Trump. Desde segunda-feira (26), no entanto, seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) participa de uma série de encontros com outros nomes importantes que giram em torno da figura do presidente norte-americano. 

A agenda de Eduardo tem sido preenchida por conversas com políticos e figuras ligadas ao presidente norte-americano. O deputado federal foi recebido por um senador republicano, oficiais da Casa Branca e pelo estrategista da campanha de Donald Trump.

Veja também:

Num contexto de aproximação do governo eleito do Brasil com o de Washington, Eduardo reforçou as intenções de combater os regimes de Cuba e Venezuela e a polêmica promessa de transferir a embaixada brasileira em Israel para a disputada Jerusalém.

As reuniões de Eduardo Bolsonaro nos EUA têm a presença de Filipe Martins, secretário de assuntos internacionais do PSL, e do estrategista político Márcio Coimbra. Os encontros, a portas fechadas, são divulgados nas redes sociais do trio, especialmente nas do deputado federal.

Kimberly Breier, Departamento de Estado dos EUA

Breier é secretária-assistente do Departamento de Estado, o órgão de diplomacia dos Estados Unidos, onde chefia a área de Relações desde outubro. Ela fez carreira como especialista em América Latina e foi diretora de uma área chamada Brasil e Cone Sul do Conselho Nacional de Segurança na Casa Branca, entre 2005 e 2006, durante a presidência de George W. Bush.

Ela ganhou notoriedade no Brasil ao elogiar Bolsonaro, dias atrás, pela postura em relação à presença de Cuba no programa Mais Médicos, cancelada pelo regime cubano. "Que bom ver o presidente eleito Bolsonaro insistir que os médicos cubanos no Brasil recebam seu justo salário em vez de deixar que Cuba leve a maior parte para os cofres do regime", escreveu Breier no Twitter no último dia 15.

A funcionária do Departamento de Estado se encontrou com Eduardo Bolsonaro na manhã de segunda-feira (26). "Tivemos uma conversa produtiva sobre áreas em que Brasil e EUA podem cooperar", escreveu o deputado, em post compartilhado por Breier.

David Malpass, Secretaria do Tesouro dos EUA

Secretário-adjunto do Tesouro norte-americano, uma das principais pastas do governo dos EUA, David Malpass tem no currículo passagens pelas gestões dos presidentes Ronald Reagan (1981-1989) e George H.W. Bush (1989-1993), também republicanos, sempre na área econômica.

O encontro com Bolsonaro ocorreu após uma palestra do deputado no American Enterprise Institute e uma reunião com representantes do vice-presidente dos EUA, Mike Pence. "A certeza de que Brasil e EUA têm muito a somar em diversas áreas", escreveu Bolsonaro.

Luís Almagro, OEA

Ministro das Relações Exteriores do Uruguai durante a presidência de José "Pepe" Mujica, Almagro é secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos) desde 2015, em uma gestão marcada por críticas duras em relação ao governo da Venezuela - Almagro chegou a falar em intervenção militar contra Nicolás Maduro.

No encontro de segunda-feira, Eduardo Bolsonaro disse que os dois trataram sobre "o cenário político das Américas e as possibilidades de cooperação na região".

Jared Kushner, assistente de Trump

Genro de Donald Trump, Kushner é assistente-sênior do sogro e integrante da Casa Branca ao lado da mulher, Ivanka. Em agosto do ano passado, intermediou as conversas entre Israel e Palestina, mas a relação entre os países piorou com a retomada do conflito em Gaza - a transferência da embaixada norte-americana em Israel para Jerusalém, em maio, agravou a situação.

Após o encontro na terça (27) de manhã, o deputado chamou Kushner de "um dos mais importantes conselheiros da Casa Branca e grande empresário - além de ser genro do Presidente Trump" e disse, em entrevista, que a mudança da embaixada brasileira para Jerusalém já está decidida.

Ted Cruz, senador

Senador pelo Texas e membro da ala mais conservadora do Partido Republicano dos Estados Unidos, Cruz foi o principal rival de Donald Trump nas primárias para a eleição presidencial de 2016. Depois de várias rusgas e trocas de acusações na campanha, Cruz passou a apoiar Trump na Casa Branca e foi reeleito, no início do mês, para mais seis anos no Senado.

O encontro com Eduardo Bolsonaro ocorreu no gabinete de Cruz em Washington na terça-feira. "Conversa amigável com Ted Cruz, senador conservador dos EUA comprometido com a internet livre, o direito de portar armas e as liberdades individuais. Precisamos nos aliar às pessoas certas", escreveu o deputado brasileiro, publicação que foi compartilhada pelo político americano.

Marco Rubio, senador

Assim como Ted Cruz, Marco Rubio, senador pela Flórida, também concorreu contra Trump nas primárias republicanas em 2016 e assumiu o lado do presidente após sua chegada à Casa Branca. Filho de cubanos que vieram para os EUA, ele está em seu segundo mandato no Senado, com forte ligação com a comunidade latina da Flórida e presença na área de imigração.

Segundo Eduardo Bolsonaro, o encontro entre os dois foi breve. "Satisfação conhecer ontem rapidamente o Senador Marco Rubio, que tem destacada atuação em temas latino-americanos como a defesa dos direitos humanos na Venezuela."

Steve Bannon, ex-estrategista de Trump

Bannon é apontado como líder da direita radical dos Estados Unidos e foi estrategista-chefe da campanha de Trump em 2016. Ele chegou a ser assessor do presidente na Casa Branca, mas foi demitido ainda no ano passado após um violento confronto entre supremacistas brancos e militantes antirracismo na cidade de Charlottesville - uma manifestante morreu atropelada por um integrante de um movimento racista.

O ex-estrategista de Trump já era figura de interesse de Eduardo Bolsonaro e os dois se encontraram pela primeira vez nos EUA no último mês de agosto - Bannon se disse "muito bem impressionado" com o filho do capitão reformado. "Nós quase terminávamos as frases uns dos outros, temos a mesma perspectiva em relação à economia, estabilidade, lei e ordem. Eles estão muito sintonizados com o populismo e nacionalismo, compartilhamos a mesma visão de mundo", disse Bannon em entrevista à Folha de S.Paulo.

O novo encontro ocorreu no jantar de aniversário de Bannon, citado por Eduardo Bolsonaro como "pessoa ícone no combate ao marxismo cultural e a quem desejo muitas felicidades."

Rudolph Giuliani, ex-prefeito de Nova York

Giuliano se destacou na política como prefeito de Nova York entre 1994 e 2001, ano em que ganhou notoriedade por sua liderança na sequência dos atentados de 11 de Setembro e foi apontado como Personalidade do Ano pela revista Time. Figura conhecida do Partido Republicano, ele não participou de outras eleições após a passagem como prefeito nova-iorquino e retornou ao cenário político como apoiador ferrenho (e posteriormente advogado) de Donald Trump.

O encontro entre Eduardo Bolsonaro e Rudolph Giuliani apareceu no Twitter do estrategista político Márcio Coimbra, que acompanha a viagem do deputado federal pelos EUA.