Topo

Tensão faz vida "parar" em vilarejos na fronteira da Rússia e da Ucrânia

Evgeniy Maloletka/AP
A ucraniana Valentina Boldyreva, à esquerda, tenta falar com sua irmã Raisa Yakovleva, que está do outro lado da cerca de arame farpado no lado russo da fronteira Rússia-Ucrânia, enquanto um guarda de fronteira ucraniano patrulha a cidade de Milove Imagem: Evgeniy Maloletka/AP

Nataliya Vasilyeva e Mstyslav Chernov

Da AP, em Chertkovo (Rússia) e Milove (Ucrânia)

07/12/2018 04h00

Valentina Boldyreva saiu de sua casa de dois andares em uma tarde nublada e com neve de domingo para cumprimentar sua irmã de 76 anos que mora do outro lado da rua da Amizade entre as Pessoas. Uma cerca alta de arame farpado as separa.

"Vê-se que minha irmã está caminhando em direção à cerca", disse Boldyreva. "Como vamos conversar uma com a outra?"

"Eu não tenho permissão para chegar perto", disse sua irmã, Raisa Yakovleva, que estava a apenas 100 metros de distância do outro lado da cerca.

"Nossas janelas estão voltadas para o arame farpado dia e noite, como se estivéssemos olhando para uma prisão", disse Boldyreva.

Leia mais:

Mas não é um campo de prisioneiros. É uma cerca de fronteira construída pela Rússia no início deste ano, marcando o que antes era uma fronteira invisível em um encerramento simbólico de quase todos os laços entre as duas nações vizinhas.

Em um mapa, Milove, onde Boldyreva mora, e Chertkovo, onde sua irmã mora, são um vilarejo só, atravessado por uma via principal, rua da Amizade entre as Pessoas. É um slogan que ainda é verdadeiro para muitos moradores, mas está sendo testado pela animosidade entre as duas nações, Rússia e Ucrânia.

Como Boldyreva e Yakoleva, quase todos os residentes de Chertkovo e Milove têm parentes próximos do outro lado.

As pessoas falam russo e ucraniano sem transformar a escolha da língua em uma declaração política como muitos fazem em outros lugares, um dos vários temas espinhosos que alimentaram o conflito entre a Ucrânia e a Rússia desde que Moscou anexou a península da Crimeia na Ucrânia em março de 2014.

No passado, os moradores costumavam atravessar a rua, de um lado para o outro entre os países, enquanto os guardas de fronteira desviavam o olhar. Hoje em dia, os guardas da fronteira russa de um lado e os ucranianos do outro patrulham em pares ou trios ao longo da rua quase deserta, que agora se assemelha a uma zona de linha de frente.

Na sexta-feira, o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, anunciou que todos os homens russos entre 16 e 60 anos foram impedidos de entrar no país. Foi o mais recente sinal da constante deterioração das relações entre os dois vizinhos inquietos depois que a Guarda Costeira russa atirou contra e apreendeu três navios da Marinha ucraniana no Mar Negro no último final de semana.

Evgeniy Maloletka/AP
Ucranianos atravessam a fronteira da Rússia para o lado ucraniano da fronteira na cidade de Milove Imagem: Evgeniy Maloletka/AP

Na semana passada, Kiev anunciou 30 dias de lei marcial nas regiões fronteiriças do país para reforçar as defesas da Ucrânia contra a agressão russa.

Na verdade, as restrições aos russos que entravam na Ucrânia já existiam efetivamente em Chertkovo há anos. Em 2015, a Ucrânia adotou um decreto exigindo que os russos que querem atravessar a fronteira usem passaportes de viagem estrangeiros, em vez de passaportes internos. Poucos russos que vivem em áreas rurais como Chertkovo têm esses documentos.

Quatro anos e meio após o início dos confrontos entre separatistas apoiados pela Rússia e tropas ucranianas no leste da Ucrânia, apenas mulheres idosas como Lidia Radchenko, de 73 anos, enfrentam a travessia. Ela tem três filhos que vivem na Ucrânia, enquanto outro filho e uma filha residem na Rússia.

“Nós costumávamos ter grandes festas. Nós nos reuniríamos no meio da estrada", disse Rachenko melancolicamente. "Essa cerca é como um campo de concentração."

Mesmo passar um pote de picles para parentes do outro lado cerca de arame farpado que separa os dois lados é um crime passível de punição.

A maioria dos russos que conversou com a Associated Press disse que eles pararam de entrar na Ucrânia logo após o início da guerra de 2014, quando surgiram relatos de que seus compatriotas estavam enfrentando problemas do outro lado da fronteira.

Sentado em sua loja de ferragens em Chertkovo, Alexander Petukhov, de 59 anos, contou que estava assustado com os relatos de pessoas que foram rejeitadas ou deportadas após a travessia. Desde então, ele cortou seus laços comerciais com seu principal fornecedor em Kharkiv, uma cidade ucraniana no leste.

"Estávamos acostumados a viver como pessoas livres", disse ele. “Tudo parou quando a luta começou.”

A principal passagem de fronteira para veículos, onde a fila de carros se estendia por mais de um quilômetro antes da guerra, estava quase deserta no domingo, com sete carros, todos com placas ucranianas, esperando para atravessar.

A terra de ninguém entre os postos fronteiriços russo e ucraniano ainda carrega o slogan da era soviética: "Deixe a eterna amizade entre as nações russa e ucraniana durar séculos!".

No sábado, o lado ucraniano da rua da Amizade entre as Pessoas estava cheio de vendedores que comercializavam de tudo, desde ovos a casacos de peles, com suas mercadorias estendidas em mesas dobráveis, de plástico. Antes um local de encontro movimentado para os moradores de ambos os lados, o mercado agora serve apenas aos compradores ucranianos porque os russos estão proibidos ou relutam em vir.

Evgeniy Maloletka/AP
Guarda observa movimento em mercado de Milove, atrás de cerca de arame farpado no lado russo da fronteira Rússia-Ucrânia Imagem: Evgeniy Maloletka/AP

Muitos relembraram melancolicamente uma época em que pessoas de ambos os lados se misturavam livremente.

"Chertkovo e Milove. Eu só descobri na sétima série, numa aula de geografia, que essas eram as repúblicas russa e ucraniana", disse Serhiy Harbuz, comprando leite e frango no mercado.

Enquanto ele falava, um guarda de fronteira russo podia ser visto patrulhando ao longo da cerca de arame farpado a menos de 100 metros de distância.

A travessia antes agitada entre Milove e Chertkovo estava quase vazia, com apenas algumas pessoas caminhando da Ucrânia para a Rússia, entre elas Olga Yevgenyevna, de 54 anos, e seu marido.

"Eu sou originalmente de Chertkovo, e minha mãe mora aqui", disse ela, falando em ucraniano. Quando ela se casou com um homem de um vilarejo no lado ucraniano da fronteira, mudar-se para lá no final dos anos 80 não parecia uma decisão dramática. Agora, sua mãe e irmão idosos vivem na Rússia e não podem visitá-la.

Antes da guerra, ela disse, “as pessoas atravessavam em todos os lugares". "Você ia e voltava 15 vezes, ninguém se importaria. Nós tínhamos um mercado e lojas. Tudo isso para todos.”

"Eu digo a minha mãe: quando eu morrer, ninguém virá me enterrar porque os russos não são permitidos aqui", disse ela.