Topo

Choro, silêncio e reza: a reação de turistas e locais ao fogo na Notre-Dame

Tiago Leme

Colaboração para o UOL, em Paris

2019-04-15T20:50:06

2019-04-15T21:57:35

15/04/2019 20h50Atualizada em 15/04/2019 21h57

À medida que a população de Paris foi tomando conhecimento do incêndio que destruiu parcialmente a catedral de Notre-Dame hoje, milhares de pessoas se aglomeraram nas ruas da região da Île de lá Cité.

Parados nas esquinas, pontes e na margem do rio Sena, parisienses e estrangeiros assistiam incrédulos ao fogo consumir a igreja por mais de cinco horas - as chamas começaram por volta de 13h50 (18h50 no horário local) e ainda não haviam sido totalmente controladas às 20h.

No meio da multidão, poucas palavras eram trocadas, sempre em tom de voz baixo e com momentos de silêncio total. Uma demonstração de tristeza e respeito a um símbolo da capital francesa e motivo de orgulho para a cidade. Muitas pessoas também choraram e se emocionaram com o acontecimento.

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL
"É uma tristeza muito grande mesmo para quem não é católico, que é o meu caso. A tristeza é a mesma. Isso é uma tragédia, não tenho palavras para definir o que está acontecendo. A Notre-Dame está no coração de todos nós parisienses", disse a linguista Vanessa Cambot, nascida e moradora de Paris.

"Eu estava no trabalho quando fiquei sabendo do incêndio. Quis ver com meus próprios olhos e vim pra cá", completou.

Vanessa estava na beira do Sena junto com diversas outras pessoas. Em determinado momento, um grupo começou a puxar a reza da "Ave, Maria" e entoar cantos religiosos, que foram repetidos em coro.

"Eu moro aqui há cinco anos. Estava no quinto andar da minha universidade, a Sorbonne, e de lá conseguíamos ver o fogo. Vimos a torre menor cair no meio de tanta fumaça. É realmente muito triste, a Notre-Dame é uma construção muito grande, imponente, conhecida no mundo todo", relatou o estudante mexicano Mário Ávila, que estava acompanhado de dois amigos espanhóis.

Tiago Leme/Colaboração para o UOL
15.abr.2019 - Osteopata francesa Laura Valadas acompanhou o incêndio da Notre-Dame Imagem: Tiago Leme/Colaboração para o UOL
As principais ruas de acesso nas redondezas da Catedral foram fechadas pela polícia por motivos de segurança. Quando os bombeiros conseguiram controlar as chamas e o incêndio estava praticamente no fim, eles foram bastante aplaudidos por quem estava presente. Enquanto os caminhões deixavam o local, muitas palmas foram ouvidas em uma forma de reconhecimento do trabalho.

"Parece que o fogo começou nas obras que estavam sendo feitas no teto da igreja. Foi tudo muito rápido no início, mas a evacuação foi bem rápida também. Dói bastante ver esta cena, é triste demais. Não dá para acreditar", contou a osteopata francesa Laura Valadas, que estava em lágrimas enquanto via o incêndio.

Multidão se emociona, canta e reza enquanto observa incêndio na Notre-Dame

UOL Notícias

Monumento histórico, a catedral de Notre-Dame começou a ser construída em 1163 e já passou por diversas modificações em sua arquitetura no estilo gótico. Até a noite de hoje, não havia informação oficial sobre o motivo do fogo nem sobre vítimas. No entanto, acredita-se que as chamas começaram acidentalmente nas obras de reforma no telhado da Notre-Dame.

Coincidentemente, outra igreja de Paris foi atingida pelo fogo este ano, em março, a Saint-Sulpice, mas em um estágio menor. A imprensa da França também relatou outros pequenos incêndios em templos católicos do país em 2019, como nas cidades de Nimes, Lavaur e Dijon.

Mais Internacional