Topo

Com Damares, "Cúpula da Demografia" ataca ONU, feminismo e homossexuais

A ministra Damares Alves, na Cúpula da Demografia, em Budapeste - Divulgação/Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos
A ministra Damares Alves, na Cúpula da Demografia, em Budapeste Imagem: Divulgação/Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Jamil Chade

Colaboração para o UOL, em Genebra (Suíça)

21/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Cúpula da Demografia reuniu lideres de diferentes países, religiosos e entidades
  • Pano de fundo era o alerta sobre risco de encolhimento de populações no Ocidente
  • Famílias, para eles, são entre homem e mulher, e feminismo ameaça o casamento
  • Eles não estariam dispostos a "substituir" perfil branco e cristão por sociedade mais diversa

A imigração deve ser evitada. Famílias são apenas aquelas entre homem e mulher. As agências da ONU são "inimigas" das crianças e o encolhimento do Ocidente é uma ameaça maior que mudanças climáticas. O feminismo? Uma ameaça ao casamento tradicional.

Foi em um evento marcado por esses discursos que o Brasil de Jair Bolsonaro participou como um dos convidados especiais.

Realizada no começo do mês em Budapeste, a Cúpula da Demografia reuniu lideres de diferentes países, religiosos e entidades. O pano de fundo era o alerta lançado sobre o risco de encolhimento de certas populações no Ocidente e a constatação de que não estão dispostos a "substituir" seu perfil branco e cristão por uma sociedade mais diversa, com imigrantes.

A resposta, segundo eles, é incentivar que famílias voltem a ter um número maior de filhos. E, para isso, a família "tradicional" e as "vontades de Deus" precisam ser respeitadas.

O Brasil foi representado pela ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves. Em seu discurso, ela anunciou que o Brasil "voltou a ser um país da família" e que convocava líderes internacionais a formar uma aliança na ONU por esses valores. A ministra esteve acompanhada por representantes do Departamento de Direitos Humanos do Itamaraty.

Mas o evento iria muito além do debate sobre demografia. O UOL assistiu a mais de 30 intervenções realizadas durante o encontro, marcado por imagens da família constituída exclusivamente por um homem, uma mulher e filhos. Os "novos amigos" do Brasil denunciaram pensadores de esquerda e liberais e deixaram claro que querem implementar um plano para resgatar "valores tradicionais" no mundo.

O "fantasma" muçulmano

Ao longo de dois dias, palestrantes se alternaram em apresentar ideias sobre como fazer para que a agenda conservadora possa ser recuperada no cenário doméstico e mundial.

Para Miklos Szantho, presidente do Central European Press and Media Foundation, parte da resposta terá de vir dos meios de comunicação, incentivados a "fortalecer a imagem da família".

"Temos de mostrar famílias com base em valores naturais, a relação entre homem e mulher. Queremos apresentar a família como ela é, naturalmente", declarou, numa alusão a evitar mostrar casais homossexuais.

Não podemos ter medo se nos dizem que somos politicamente incorretos. O homem devem ser homem, e mulher deve ser mulher"

Maria Regina Maroncelli, presidente da Confederação Europeia de Famílias Numerosas, acredita que a solução para a questão demográfica passa por dar incentivos a famílias com mais de três ou quatro filhos.

Raul Sanchez, o secretário-geral da Confederação Europeia de Famílias Numerosas, acredita que, "depois da revolução feminista e da revolução ecologista, agora precisamos de uma revolução da família".

Phillip Blond, filósofo e teólogo anglicano, definiu o atual momento internacional como sendo um de uma "guerra de valores". Sua avaliação é de que o "modelo ocidental atomizado" foi o responsável pela queda da taxa de natalidade e deu, como exemplo, o fortalecimento da juventude conservadora russa como sinal de que esse seria o caminho.

Mas ele também faz outra sugestão: voltar a valorizar o romantismo nas culturas ocidentais.

Outro palestrante optou por uma análise diferente e questionou a tese de que é a mulher que define quantos filhos uma família vai ter.

Imre Bedo, presidente do Clube dos Homens da Hungria, acredita que se o marido é uma pessoa "estável", então a esposa terá a segurança financeira e emocional que precisa para ter um segundo ou terceiro filho. Sua sugestão: fortalecer o papel do homem.

Cristianismo x "globalismo"

O anfitrião ultraconservador, o primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, sugeriu maior aproximação de Deus e a promoção de famílias mais numerosas. E insistiu:

O cristianismo terá de ser mais forte na Europa"

Para ele, se a Europa não for ocupada por mais europeus no futuro, haverá então uma "troca de populações". "Os europeus serão substituídos por outros", declarou o líder anti-imigração. Orbán ainda denunciou a existência de forças políticas na Europa que querem "promover a substituição de população por motivos ideológicos".

Sua resposta, porém, é promover as famílias europeias, sempre em seu modelo tradicional. "Toda criança tem o direito de ter um pai e uma mãe", declarou o húngaro, apontando para a necessidade de se mudar a Constituição para "proteger as famílias" e impedir que cortes judiciais tomem decisões "antifamília".

Ele e vários outros repetiriam o mesmo mantra no evento: sem famílias não há uma nação nem identidade.

O evento ainda deixou claro que parte dos problemas demográficos vem supostamente do "globalismo". Jaime Mayor Oreja, ex-ministro do Interior da Espanha, fez um feroz ataque contra o "relativismo moral e 'globalismo'" que estariam gerando "desordem". Citando religiosos, ele apontou como o Ocidente estaria ameaçado de desaparecer da mesma forma que Roma foi invadida por bárbaros.

O espanhol reivindicou uma "resistência moral contra a imigração" e alertou para a tentativa de destruição de "princípios cristãos". "Há uma crise da civilização europeia e da verdade", disse.

"Precisamos resistir contra aqueles que querem mudar a natureza humana. Esse projeto é de longo prazo. Mas temos que começar já"

Para ele, não há espaço para "novos direitos", e progressistas tentam impor uma "visão totalitária".

O presidente do Parlamento da Hungria, Lazslo Kover, também denunciou o "totalitarismo" das ideias e insistiu que apenas famílias tradicionais e com filhos podem garantir a democracia.

O político apelou por "um retorno à normalidade, com o retorno dos valores tradicionais". Esses valores, segundo ele, estariam sendo atacados por ONGs, "acadêmicos corruptos", entidades internacionais e a imprensa, que "serve a cultura da morte".

Kover optou por denunciar as leis que permitem o aborto como parte da causa do encolhimento de algumas populações no Ocidente. "Temos que decidir se vamos apoiar a morte ou a vida", insistiu. E, claro, não deixou de fustigar: "o 'globalismo' é a nova ideologia dos ricos roubando os pobres".

ONU seria "inimiga das crianças"

O encontro em Budapeste também serviu como palanque para fortes ataques contra a ONU e a suposta infiltração de uma agenda antifamília.

Valerie Huber, conselheira de Departamento de Saúde dos EUA, criticou abertamente resoluções aprovadas pela ONU por citarem direitos sexuais e educação sexual. Segundo a representante do governo Trump, a entidade vem adotando uma postura de redução do papel das famílias e ignora a soberania dos países.

Para ela, a educação sexual deve ser "papel das famílias", e não de governos. Além disso, são as sociedades, e não a ONU, que devem dizer o que é educação sexual.

Emilie Kao, da Heritage Foundation, também focou seus ataques contra a ONU, alertando que a entidade tenta impor sobre governos leis que reconhecem o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A especialista apelou para que chanceleres se unam para "defender casamentos tradicionais". "Isso não é homofobia", alegou.

Emilie considerou que o casamento tradicional está "sob ataque" e que uma "ideologia está impregnando a cultura, a política e a lei".

Em sua análise, não faltaram as críticas contra a revolução sexual, que teria "enfraquecido o casamento".

O feminismo levou mulheres a temer o casamento"
Emilie Kao, da Heritage Foundation, insinuando que deveres domésticos não deveriam ser considerados como um peso.

Sharon Slater, representante da Family Watch International, foi além e alertou que "há um ataque diário contra nossas crianças na ONU".

Citando a influência de uma ONG, a IPPF, ela insistiu que há um esforço para se normalizar o sexo para crianças. "A visão deles é de que cada um pode fazer suas escolhas", afirmou Sharon, alegando que a educação sexual estaria sendo usada pela ONU para legitimar o aborto.

Mostrando imagens de textos de documentos internacionais, ela apontou como a OMS estaria incentivando crianças de quatro anos a se tocar e falando abertamente sobre orgasmo para elas. Não faltaram denúncias contra a Unicef, criticada por supostamente abrir o caminho para a liberdade de escolha sobre "quando começar o sexo e com quem".

Brasil quer liderar bloco "pró-família"

Terminado o evento, os participantes deixaram claro que as ideias ali tratadas não ficariam apenas nos registros da conferência. Os governos do Leste Europeu indicaram que vão coordenar posições internacionais para promover essa agenda.

A própria Damares Alves anunciou que o Brasil estava disposto a liderar um bloco "pró-família" na ONU, enquanto o governo americano já planejava ações concretas na Assembleia Geral das Nações Unidas, que começa na terça-feira.

A cúpula foi concluída com um recado de Bence Rétvári, membro do gabinete de Orbán, contra "liberais e esquerdistas".

Eles querem desmantelar identidades e destruir famílias. Estão fazendo experimentos com humanos"

A reunião foi finalmente encerrada com a entrega de prêmios a indivíduos que tenham contribuído para os debates sobre o futuro da família. Os organizadores não apenas citavam os feitos dos vencedores chamados ao palco. Mas também quantas crianças cada um teve em suas vidas.

Mais Internacional