PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Inquérito aponta que 5 pessoas morreram após inalarem gás tóxico de fogão

Borracha instalada para diminuição de ruídos permitia acumulo de monóxido de carbono no eletrodoméstico - Reprodução/Twitter
Borracha instalada para diminuição de ruídos permitia acumulo de monóxido de carbono no eletrodoméstico Imagem: Reprodução/Twitter

Colaboração para o UOL, em São Paulo

17/11/2020 16h58

Um inquérito comprovou que a morte de cinco pessoas, na Inglaterra, está ligada a uma falha no modo "grill" de um fogão, da marca Beko. A porta da grade do eletrodoméstico foi equipada com uma vedação de borracha para reduzir o ruído durante o uso, o que causava acumulo de monóxido de carbono, um gás altamente tóxico.

Richard Smith, de 30 anos, e Kevin Branton, de 34, foram as primeiras vítimas fatais do equipamento. Os dois amigos foram encontrados mortos na casa que compartilhavam, na cidade de Saltash, em 2010. As outras três mortes confirmadas, também por envenenamento por monóxido de carbono, são de Audrey, John e Maureen Cook, mãe, pai e filha, que cozinhavam juntos em um trailer, em 2013.

O jornal Daily Mail divulgou que, em ambas as cenas, foram descobertas comidas cruas nos fogões, que tinham o modo grill ligado. Após anos de investigação, foi comprovado que níveis fatais de monóxido de carbono eram acumulados nos eletrodomésticos, quando o grill era usado com a porta do fogão fechada.

Isso acontecia por conta de uma borracha instalada na porta do eletrodoméstico para diminuição de ruídos. No entanto, a borracha cria um entreferro — como uma "bolsa de ar"— no equipamento, o que causa o acumulo do monóxido de carbono no equipamento.

A Beko, distribuidora do fogão produzido pela Arcelik na Inglaterra, afirma que o manual de instruções do eletrodoméstico aponta que a porta deve ser deixada aberta, enquanto o grill está sendo usado. Contudo, a empresa que emitiu os certificados de segurança do eletrodoméstico não fez testes com a porta fechada, pois não era "previsível" que os consumidores o fizessem.

O detetive Jonathan Bray, da Polícia de Devon e Cornwall, disse que, nos casos das vítimas, parecia que a grelha do fogão Beko havia sido ligada por engano. Como os alimentos já estavam no forno, a porta estava fechada e culminou o acidente.

Ele ainda revelou que a Beko não notificou o mercado sobre a diferença nos padrões comerciais de seus fogões, ignorando potenciais falhas de segurança associadas a 23 modelos da marca. A infração custou 76,6 mil libras (R$ 544 mil) para a companhia, em 2014.

Internacional