PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Esse conteúdo é antigo

Filho esfaqueia a mãe 118 vezes e pede à polícia um saco para cadáver

Adolescente aparentava "estranha calma" e "parecia mais preocupado com o gato" após ataque, segundo policial - Getty Images
Adolescente aparentava "estranha calma" e "parecia mais preocupado com o gato" após ataque, segundo policial Imagem: Getty Images

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/12/2020 16h51

Rowan Thompson, de 17 anos, confessou ter assassinado sua própria mãe com 118 facadas. Ele depois ligou para a polícia pedindo aos agentes que trouxessem um saco para cadáveres, segundo o inquérito. O adolescente foi encontrado morto em uma clínica de cuidados mentais antes do julgamento.

Thompson fazia uma visita à casa de sua mãe, a fonoaudióloga Joanna Thompson, de 50 anos, quando, no dia seguinte a uma discussão doméstica, o adolescente teria a atacado com diferentes tipos de facas e outros objetos. Após o ataque, o Thompson ligou para o 999 (número da emergência em Hampshire, na Inglaterra), assumindo o crime.

"Acabei de matar minha mãe. Preciso que alguém me prenda, pois é isso que você faz e uma ambulância seria bom. Eu a estrangulei e a esfaqueei com várias facas e outros enfeites. Ela não está respirando... traga um saco de cadáver ou o que você fizer. Tenho 99,9% de certeza de que ela não está respirando", descreve o inquérito em publicação do The Sun.

O assassinato teria acontecido dia 1º de julho de 2020, após mãe e filho regressarem à residência após uma caminhada ao livre. Thompson foi detido pela polícia inglesa, que descreveu o comportamento "calmo" do jovem após as facadas.

"Ele estava estranhamente calmo... parecia estar mais preocupado com o gato", revelou o policial. Ainda foram encontradas na pia da cozinha as facas usadas no homicídio.

O julgamento de Thompson seria em 7 de outubro, mas ele foi encontrado morto em um hospital de cuidados mentais em Manchester quatro dias antes do evento.

Segundo o pai, Marc Thompson, de 51 anos, que trabalha como mágico, o garoto apesentava distúrbios mentais, embora o médico responsável dissesse que o adolescente apresentava apenas um "autismo leve". Rowan se descreveu à polícia como "estranho" e no "piloto automático" no momento do crime.

O Sr. Thompson ainda revelou que seu filho nunca demonstrou comportamento agressivo. "Antes do ataque, Rowan nunca foi agressivo, gostava de esgrima, escalada, o Cubo de Rubik e queria se tornar um arquiteto", declarou o mágico, que revelou também a opinião de outros dois psiquiatras que avaliaram Rowan, quando disseram que o garoto era "mentalmente incapacitado".

O legista Lason Pegg registrou a ocorrência como "homicídio ilegal", e anunciou um inquérito sobre Rowan Thompson para o ano que vem.

Internacional