PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Imigrante é morto nos EUA após policiais ajoelharem em seu pescoço por 5min

Angelo Quinto morreu três dias após de ter a lateral do pescoço pressionada contra o chão por vários minutos - Cortesia/Law Offices of John Burris
Angelo Quinto morreu três dias após de ter a lateral do pescoço pressionada contra o chão por vários minutos Imagem: Cortesia/Law Offices of John Burris

Do UOL, em São Paulo

24/02/2021 10h49

O imigrante filipino Angelo Quinto, de 30 anos, morreu três dias depois de policiais se ajoelharem sobre as costas e a lateral do pescoço dele por quase cinco minutos enquanto o imobilizavam, afirmam os advogados. A vítima morava junto com a família na Califórnia, nos EUA. O advogado contou que os policiais utilizaram a mesma "técnica aplicada em George Floyd" e afirmou que eles ignoraram os pedidos de socorro da vítima.

A defesa disse em entrevista coletiva na última quinta-feira (18) que Angelo estava "sofrendo de ansiedade, depressão e paranoia nos últimos meses". No mesmo dia, a família abriu uma ação por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, contra a cidade de Antioquia, informou a KABC-TV.

Segundo John L. Burris, advogado da família, Isabella Collins, irmã de Angelo, chamou a polícia no dia 23 de dezembro depois que o homem se descontrolou e temia que ele machucasse a mãe.

Enquanto aguardavam a chegada dos oficiais, a mãe de Angelo o abraçou durante algum tempo e, de acordo com a alegação, "ele já havia começado a se acalmar".

Assim que dois policiais da região chegaram na residência, eles agarraram Angelo e não perguntaram sobre a situação que acontecia. Enquanto o algemavam no chão, os oficiais colocaram os joelhos sobre as costas e a lateral do pescoço da vítima.

Maria Quinto-Collins, mãe de Angelo, filmou parte da ação com o celular dela. Em determinado momento, ela questiona o que aconteceu ao ver o filho desfalecido, algemado e de bruços.

Os oficiais então viram o corpo da vítima e é possível ver o rosto coberto de sangue. Então, aparecem outros policiais nas imagens e eles colocam Angelo em uma maca e começam a fazer compressões contra o tórax dele, enquanto a mãe segue filmando e questionando o que está acontecendo. Na filmagem não é possível identificar se os policias usavam câmeras corporais.

"Esses policiais de Antioquia já haviam algemado Angelo, mas não pararam de atacar o jovem e inexplicavelmente começaram a usar a técnica aplicada em 'George Floyd' de colocar um joelho nas costas e na lateral de seu pescoço, ignorando os apelos do Sr. Quinto de 'por favor não me mate'", disse o advogado, que acredita que a vítima morreu por asfixia, assim como Floyd.

Angelo foi levado até um hospital local após a filmagem, mas morreu três dias depois da internação.

Até o momento, a polícia não informou detalhes do caso à imprensa. O Departamento de Polícia de Antioquia não respondeu aos questionamentos da CNN Internacional e também não deu os nomes dos policiais envolvidos na ocorrência.

O xerife do condado de Contra Costa disse na segunda-feira (22) que a causa da morte de Angelo ainda está pendente e afirmou que a morte é investigada pelo procurador distrital.

Entenda o caso George Floyd

George Floyd, um homem negro de 46 anos, foi morto por um policial branco em 25 de maio do ano passado, em Mineápolis, no estado norte-americano de Minnesota. A ação foi gravada e mostra o oficial pressionando o joelho contra o pescoço de Floyd por quase oito minutos. Durante o sufocamento, Floyd diz "não consigo respirar" repetidas vezes, até ficar inconsciente.

Sua morte se tornou o mais recente símbolo da violência policial contra os cidadãos negros e provocou a maior onda de protestos dos últimos anos nos Estados Unidos e outros lugares do mundo. Manifestantes em todo o gritaram frases como "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Importam", em tradução livre) e "não consigo respirar".

Os advogados de três dos policiais acusados pela morte de George Floyd entraram com pedido para retirar as acusações contra eles alegando que o vazamento do acordo proposto a outro oficial poderia "contaminar" o júri.

Os três ex-oficiais Tou Thao, J. Alexander Kueng e Thomas Lane devem ser julgados em 23 de agosto, enquanto Derek Chauvin, policial que sufocou Floyd com o joelho, vai a julgamento no início de março.

Internacional