PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Estrutura que desabou e matou 23 no México tinha rachaduras, dizem vizinhos

Queda de estrutura de linha férrea deixou ao menos 23 mortos no México - Pedro Pardo/AFP
Queda de estrutura de linha férrea deixou ao menos 23 mortos no México Imagem: Pedro Pardo/AFP

Colaboração para o UOL

04/05/2021 15h58

Moradores vizinhos a linha férrea que desabou ontem na Cidade do México, deixando ao menos 23 mortos e outros 65 feridos, temiam que a estrutura pudesse colapsar em razão de rachaduras provocadas por um terremoto que atingiu a região em setembro de 2017.

Naquele ano, o abalo danificou o trecho entre as estações Olivos e Nopalera. Os moradores impediram que veículos tivessem acesso à área atingida.

Em entrevista ao jornal El Universal, um deles disse que algumas casas também foram danificadas.

"Já está tudo rachado, depois do terremoto muitas casas foram afetadas e já passavam caminhões basculantes, que pesam toneladas e por isso decidimos fechar", afirmou.

Segundo o STC (Sistema de Transporte Coletivo), após danos visíveis serem identificados nas estradas das linhas A e 12 depois do tremor de terra, reparos foram feitos a fim de corrigir as anomalias.

Na Linha 12, onde ocorreu o problema de ontem, foi detectada uma falha estrutural em um dos pilares que faz parte do trecho Nopalera-Olivos, o que acabou fragilizando sua função integral de suporte de peso e elasticidade. Em razão disso, seis estações foram fechadas: Tezonco, Nopalera, Zapotitlán, Tlaltenco, Tláhuac e Olivos. As obras de escoramento e reabilitação foram realizadas no mesmo mês daquele ano.

Essa não é a primeira vez este ano que um acidente acontece com uma composição mexicana. Em janeiro, um incêndio nas instalações de controle deixou um morto e 29 pessoas intoxicadas.

Em março de 2020, uma pessoa morreu e outras 41 ficaram feridas após dois trens baterem dentro de uma estação.

O metrô da Cidade do México, inaugurado em 1969, é um dos principais meios de transporte da capital e sua zona metropolitana, onde vivem quase 20 milhões de pessoas. A linha 12, na qual aconteceu o acidente, foi inaugurada em 30 de outubro de 2012 pelo atual chanceler do México e na época prefeito da capital, Marcelo Ebrard.

Internacional