PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Província decide bloquear celular de quem não se vacinar contra a covid-19

Os paquistaneses desconfiam das vacinas e acreditam em teorias da conspiração - Hannah Beier/Reuters
Os paquistaneses desconfiam das vacinas e acreditam em teorias da conspiração Imagem: Hannah Beier/Reuters

Colaboração para o UOL

14/06/2021 21h45

Em meio à hesitação de alguns moradores de tomar a vacina contra a covid-19, a província de Punjab, no Paquistão, está ameaçando bloquear o celular daqueles que se recusarem a se vacinar. As informações são da CBS News.

As autoridades querem aumentar o número de vacinados na província. No entanto, os paquistaneses estão desconfiados e disseminam teorias da conspiração, como a que diz que a vacinação é um plano do governo para tornar as pessoas inférteis.

O Centro Nacional de Comando e Operação, encarregado de combater a pandemia no país, divulgou um vídeo de conscientização sobre as vacinas. Além disso, todos os principais jornais do país publicaram anúncios do governo pedindo que todos se vacinassem.

Segundo Shandana Khan, CEO da ONG local Rural Support Programs Network, que trabalhou com autoridades para mobilizar a resposta das comunidades ao vírus, bloquear os celulares pode ser uma medida imprudente.

"Em muitas áreas rurais onde os telefones são essenciais para transferir dinheiro, receber microcrédito, etc., e onde as vacinas não estão prontamente disponíveis, esta abordagem provavelmente não funcionará", disse ela. "Na verdade, isso criará mais problemas. Não há vacinas suficientes neste momento. Obter vacinas e melhorar o alcance nas aldeias de Punjab é crucial. Aldeias remotas não têm vacinas disponíveis, então uma campanha porta a porta pode ser convincente fator", afirmou Khan, em entrevista à CBS News.

As operadoras de telefonia móvel do Paquistão ainda não receberam nenhuma ordem oficial para cortar o serviço. Aamir Pasha, porta-voz da operadora de telefonia móvel Ufone, disse à CBS News que, antes de tomar qualquer providência, vai aguardar um projeto de lei que seja aprovado pelo governo nacional e que seja formalmente solicitado.

Internacional