PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
2 meses

Mistério: 65 pessoas da mesma escola descobrem tipo raro de tumor cerebral

Casos suspeitos de pessoas com tumores cerebrais foram registrados em escola de Nova Jersey - Google Street View/Reprodução
Casos suspeitos de pessoas com tumores cerebrais foram registrados em escola de Nova Jersey Imagem: Google Street View/Reprodução

Do UOL, em São Paulo

31/03/2022 21h22Atualizada em 01/04/2022 08h56

Um cientista ambiental da cidade de Woodbridge, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, acionou as autoridades locais após fazer uma investigação independente e descobrir que pelo menos 65 pessoas que estudaram ou trabalharam em uma mesma escola de ensino médio desde a década de 1960 sofreram com raros tipos de tumor cerebral nos anos seguintes.

Em entrevista ao canal CBS2, o cientista Al Lupiano, que foi diagnosticado com um glioblastoma no cérebro nos anos 2000, contou que passou a fazer pesquisas sobre o assunto quando a irmã dele sofreu com o mesmo tipo de tumor e morreu.

A esposa dele também foi diagnosticada com o mesmo tumor horas depois, mas não teve outras complicações como a irmã dele. Por causa disso, o cientista decidiu fazer uma publicação nas redes sociais perguntando se ex-alunos do Colonia High School tinham passado pelo mesmo problema.

"Eu comecei a fazer algumas pesquisas e três casos se tornaram cinco, que logo se tornaram sete e depois se tornaram 15", afirmou. À imprensa norte-americana, o pesquisador narrou preocupação ao afirmar que há apenas uma questão ambiental que poderia ser causadora desses tumores: a presença de radiação no local.

"Essa era uma terra virgem antes da construção da escola. O que pode ter acontecido, potencialmente, é que algo tenha sido trazido durante a construção", afirmou o prefeito da cidade, John McCormick. O colégio foi construído em 1967.

Agora, os departamentos de Saúde e de Proteção Ambiental, assim como uma agência federal de análise de substâncias tóxicas foram acionados e fazem análises sobre o local. Os órgãos informaram que ainda é cedo para dizer o que pode ter causado a ocorrência dos tumores nos estudantes, mas acredita que há uma razão para "ir fundo" na pesquisa.

Internacional