Orgia, 'viagra' e ambulância: escândalo com gigolô abala a Igreja Católica

Nesta terça (24), o papa Francisco aceitou a renúncia do bispo de Sosnowiec, na Polônia, Grzegorz Kaszak. A decisão vem após um escândalo envolvendo uma orgia gay que teria sido organizada por um padre.

O caso veio à tona no mês passado. Segundo a imprensa polonesa, Tomasz Zmarzly, padre da paróquia Beata Virgem Maria dos Anjos, teria organizado uma festa sexual em seu apartamento, na cidade de Dabrowa Górnicza.

Ele e um grupo de amigos teriam contratado um gigolô. Os participantes, então, teriam tomado várias pílulas para impotência. Algumas horas depois, porém, um deles começou a passar mal.

Diante da situação, o gigolô chamou uma ambulância. O padre, porém, pediu que ele fosse embora. O homem aguardou a chegada da ambulância do lado de fora, mas, quando o serviço de emergência chegou, o sacerdote se recusou a deixá-los entrar para prestar o socorro.

Os médicos só puderam entrar depois da chegada da polícia. O homem estava deitado no chão, inconsciente. Ele foi levado ao hospital.

Investigação dentro e fora da Igreja

Ao jornal "Gazeta Wyborcza", uma testemunha afirmou que o evento havia sido organizado pelo padre e que era "puramente sexual".

O sacerdote está sendo investigado pela polícia por ter impedido o socorro ao amigo. Ele nega que tenha organizado uma orgia.

Diante do caso, o bispo Kaszak, inicialmente, afirmou ter nomeado uma comissão para apurar os fatos. Depois, ele escreveu uma carta a padres de sua diocese dizendo estar pronto para "aceitar as consequências" do escândalo e que não compactua com o "mal moral".

Continua após a publicidade

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes