Bebês

Por que os recém-nascidos da Finlândia dormem em berços de papelão?

Eli Rosenberg

  • Ilvy Njiokiktjien/The New York Times

    Bebê em caixa em uma maternidade em Kela, na Finlândia

    Bebê em caixa em uma maternidade em Kela, na Finlândia

À primeira vista, parece um lugar estranho para se colocar um recém-nascido: uma caixa de papelão contendo uma roupa de cama simples e um mini-saco de dormir.

Ainda assim, esse é o primeiro lugar onde muitos bebês finlandeses repousam suas cabecinhas. E acredita-se que essa simples estrutura seja um dos motivos pelos quais hoje a Finlândia tem um dos índices mais baixos de mortalidade infantil no mundo: 2,52 para cada 1000 nascimentos, menos que a metade do índice dos Estados Unidos.

A Finlândia fornece a todas suas futuras mães uma caixa para bebês, mas com uma condição. Para recebê-la, a mãe precisa passar por um exame médico durante os quatro primeiros meses de gestação.

Todos os anos o governo doa cerca de 40 mil dessas caixas, que vêm com roupa de cama e cerca de outros 50 itens para bebês, incluindo roupas, meias, um casaco para frio e até mesmo um gorro para bebês, para o gelado inverno nórdico. (Mães que não precisam de todos esses itens podem optar por receber 140 euros no lugar, ou cerca de R$ 510).

Ilvy Njiokiktjien/The New York Times
Box de maternidade em Kela, incluindo a caixa onde os bebês dormem

O programa começou no fim dos anos 1930, quando quase um em cada dez bebês na Finlândia morria no primeiro ano. As caixas eram uma forma barata de incentivar as mulheres, especialmente aquelas de baixa renda, a deixarem hábitos antigos de lado e consultarem um médico durante a gravidez, mesmo que não estejam se sentindo mal. As caixas também eram lugar seguro para os bebês dormirem fora da cama dos pais, em casas que poderiam ser mobiliadas somente de forma rudimentar.

A Finlândia também oferece uma proteção considerável para os pais do bebê: até 10 meses de licença remunerada, e uma garantia de que qualquer um que fique em casa com uma criança possa voltar a seu emprego a qualquer momento antes que a criança complete 3 anos.

Há esforços sendo feitos para estender a ideia da caixa para bebês para um público mais amplo. A Finlândia enviou um kit para o príncipe William e sua mulher, a Duquesa de Cambridge, em 2013, e um hospital em Londres começou a distribuir as caixas recentemente de forma experimental.

Em Minnesota, um grupo sem fins lucrativos distribuiu as caixas para famílias de baixa renda, inspirando uma proposta que está sendo debatida por parlamentares. Um estudante de pós-graduação de Harvard formou uma organização para distribuir kits similares no sul da Ásia. E três pais finlandeses montaram um negócio que vende as caixas em países que fazem menos para apoiar novos pais do que a Finlândia.

"Quando você se muda para outro país, você fica surpreso ao perceber que nem todo lugar tem uma caixa para bebês", disse Sanna Kangasharju, que trabalha na Embaixada da Finlândia em Washington. "É um sistema muito eficiente."

Ucrânia comemora o nascimento de quíntuplos

  •  

f

Tradutor: UOL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos