Espanhóis comemoram mais de 290 dias sem um líder: "sem governo, sem ladrões"

Raphael Minder e David Zucchino

Em Madri (Espanha)

  • Francisco Seco/AP

    Simpatizantes socialistas fazem manifestação contra o Partido Popular de Mariano Rajoy, em Madri, na Espanha

    Simpatizantes socialistas fazem manifestação contra o Partido Popular de Mariano Rajoy, em Madri, na Espanha

Há mais de 290 dias, a Espanha tem caminhado sem um governo nacional eleito. Para alguns espanhóis, isso é algo maravilhoso.

"Sem governo, sem ladrões", disse Félix Pastor, um professor de línguas que, como muitos eleitores, está cheio da corrupção e dos escândalos que mancharam os dois partidos de governo anteriores.

Pastor, um senhor animado de 59 anos, disse que a Espanha poderia durar sem um governo "até o inferno congelar", porque os políticos não estariam em posição de causar mais mal.

Após duas desgastantes eleições nacionais em seis meses, e uma possível terceira votação em dezembro, nenhum partido obteve cadeiras suficientes ou conseguiu formar a coalizão necessária para formação de um governo. Pela primeira vez nas quatro décadas da Espanha como uma democracia moderna, este país de 47 milhões de habitantes tem um governo provisório.

Isso produziu um espetáculo público sem precedente: os políticos planejam e tramam, mas rejeitam as difíceis concessões necessárias para formação de um governo. Os eleitores assistem pesarosamente com uma mistura de fascínio e desprezo.

No sábado, o líder dos socialistas, Pedro Sánchez, renunciou em uma decisão que poderia abrir caminho para seu partido concordar com a reeleição do primeiro-ministro Mariano Rajoy e um governo liderado por seu Partido Popular conservador.

Mas apesar da revolta dos socialistas poder quebrar o impasse, ela contribuirá pouco para curar a frustração dos espanhóis com uma crise que minou ainda mais a fé deles nos políticos.

Os líderes espanhóis alertavam que a inexistência de um governo poderia levar ao caos e privação. Em vez disso, mais do que qualquer outra coisa, a crise parece ter oferecido um vislumbre de como seria a vida se os políticos simplesmente saíssem do caminho. Para muitos aqui, não tem sido tão ruim.

"A Espanha ficaria bem se nos livrássemos da maioria dos políticos e de três quartos dos funcionários públicos", disse Rafael Navarro, 71 anos, em sua minúscula farmácia em Madri. Pouco governo é melhor do que muito, ele disse.

De certo modo, essa é uma crise fantasma para os espanhóis comuns. Não houve uma paralisação do governo ao estilo dos Estados Unidos. Não há pilhas de lixo não coletado, não há policiais sem receber salário, não há ministérios fechados, o funcionamento dos transportes públicos não está suspenso.

O dinheiro do orçamento continua fluindo. Os ministérios do governo ainda estão funcionando. Os recebedores do serviço social e os funcionários públicos continuam sendo pagos. Mesmo se nenhum governo for formado quando o orçamento nacional de 2016 expirar nos próximos meses, o velho orçamento simplesmente se tornará o novo orçamento para 2017.

Mas o governo está paralisado de outras formas. Ninguém está propondo legislação, debatendo assuntos internacionais e nem está ocorrendo a rotatividade de embaixadores da Espanha. O financiamento para muitos projetos de governo e infraestrutura está congelado. E movimentos nacionalistas na Catalunha e no País Basco continuam a perturbar a política nacional.

A Espanha está no limbo político desde outubro passado, quando Rajoy convocou uma eleição geral enquanto contava com maioria parlamentar. Seu Partido Popular conquistou a maioria dos votos em dezembro e em junho, mas não obteve uma maioria. Ele agora conta com 137 das 350 cadeiras no Parlamento.

O impasse ocorre em um momento oportuno. Após o término de uma recessão severa em 2013, a economia espanhola se recuperou. O crescimento previsto para este ano é de 2,9%, quase o dobro da média de 1,6% da zona do euro esperada pela Comissão Europeia. As taxas de juros e os preços de energia estão em baixas históricas.

A Espanha, uma superpotência de turismo, espera 74 milhões de visitantes neste ano, 6 milhões a mais do que no ano passado, com o medo de terrorismo em outros lugares trazendo os visitantes para cá. Os cafés e museus estão lotados, assim como a taxa de ocupação dos hotéis é alta.

Mas após já terem ido às urnas duas vezes neste ano, os eleitores cansados não estão dispostos a votar de novo. O calendário político dita uma votação no Natal se nenhum acordo para formação de um governo for fechado até 31 de outubro.

O impasse se arrasta há tanto tempo que "é como o 'Dia da Marmota' todo dia", disse Pedro Rodríguez, um professor assistente de relações internacionais de uma universidade particular em Madri, em uma referência ao filme "Feitiço do Tempo".

Até a recente e caótica revolta dentro do Partido Socialista, disse Nacho Cardero, o editor do site de notícias "El Confidencial", os cliques de leitores em histórias sobre a crise vêm caindo continuamente.

"As pessoas estão exaustas", disse Cardero. "Elas não querem ouvir mais nada desses políticos."

Os espanhóis estavam esperançosos por um governo melhor em dezembro, após dois novos partidos terem conquistado, pela primeira vez, um terço das cadeiras no Parlamento. Isso provocou um vale tudo político, porque nenhum partido individual conseguiu formar uma maioria.

Nove meses depois, muitos eleitores se queixa de que os novos partidos adotaram as mesmas políticas cínicas e corrosivas praticadas sob o sistema enraizado de dois partidos.

Os dois partidos tradicionais, o Partido Popular conservador e o Partido Socialista, poderiam ter chegado a um acordo sobre um novo governo, mas se recusam a conversar um com o outro.

"Negociar ou fazer concessões é visto como fraqueza", disse Antonio Roldán, um legislador do novo partido Ciudadanos.

Manuel de la Rocha Vázquez, um conselheiro econômico do Partido Socialista, disse que a Espanha estava tão polarizada que a política se transformou quase em uma briga. "Há apenas insultos, apontar de dedos e arrogância", ele disse.

Em uma pesquisa de opinião realizada pela empresa Metroscopia, os entrevistados escolheram as mesmas poucas palavras para descrever seus sentimentos a respeito do impasse político: decepção, indignação, vergonha e cansaço.

Na mesma pesquisa, os espanhóis culparam os políticos em vez do sistema partidário pelo impasse, 58% a 20%.

Outras pesquisas sugerem que uma eleição em dezembro produziria o mesmo resultado que as duas anteriores: uma vitória do Partido Popular, mas sem maioria, segundo o presidente da Metroscopia, José Juan Toharia.

Por ora, as coisas estão razoavelmente estáveis, em parte porque a Espanha concede poderes consideráveis aos seus 17 governos regionais. Eles continuam fornecendo atendimento de saúde, educação e outros pilares da vida cotidiana.

"Para um cidadão espanhol, o governo mais relevante é o regional", disse Santiago Lago Peñas, um professor de economia na região da Galícia, no noroeste da Espanha.

Mas dentro das instituições de governo em Madri, a crise está causando dor.

Joaquín Sánchez Sanz, o diretor do laboratório de fusão nuclear da agência de governo Ciemat, disse que passa cerca de 40% de cada dia lidando com os cortes impostos pelo governo provisório.

Cinco dias antes de um contrato ser assinado para fornecimento de equipamento de refrigeração para um laboratório no Japão, o projeto foi cancelado, disse Sánchez Sanz. Além disso, cada contrato da agência ainda não assinado foi cancelado.

Ele não culpa a crise do governo por todo corte, mas isso cria um clima de incerteza.

"Se você é incapaz de honrar seus contratos, da próxima vez que eles quiserem colaboração, eles poderão procurar em outro lugar, porque agora não somos críveis", disse Sánchez Sanz.

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos