Como uma história de amor sobreviveu ao Holocausto: "Queríamos estar juntos"

Corey Kilgannon

Em Nova York (EUA)

  • Joshua Bright/The New York Times

    Rosa e Isaac Blum, que se apaixonaram há 75 anos, em sua casa no Brooklyn, Nova York

    Rosa e Isaac Blum, que se apaixonaram há 75 anos, em sua casa no Brooklyn, Nova York

No Dia dos Namorados [nos EUA 14 de fevereiro, o Dia de São Valentim], os casais muitas vezes se lembram do momento exato em que souberam que continuariam juntos --durante as férias, em um jantar elegante ou, talvez, ao conhecer seus futuros sogros.

Para Isaac e Rosa Blum, que começaram a namorar na adolescência, 75 anos atrás, em um gueto polonês, esse momento foi quando eles e milhares de outros judeus aterrorizados eram levados para um campo da morte por soldados nazistas.

"Eu a vi andando na minha frente", lembra Blum. "Aproximei-me do alemão e disse: 'Essa é minha irmã', apesar de ela ser minha namorada."

Milagrosamente, ambos foram retirados da fila e conseguiram sobreviver ao Holocausto trabalhando como escravos em uma fábrica de munições. Em comparação, os 70 anos seguintes foram uma brincadeira, disse o casal na segunda-feira (13) em sua casa de dois andares no Brooklyn.

Ele tem 94 anos e ela, um a menos. Solicitados a contar sua longa história de amor, eles comentaram que seria absurdo envolver um romance incubado no inferno do Holocausto nos enfeites dourados do Dia dos Namorados.

"É uma história misturada, você não vai conseguir juntar os pedaços", disse Blum, enquanto admitia que sim, foi um amor jovem e ousado que o levou a enfrentar um guarda nazista e salvar sua amada do envio ao campo da morte de Treblinka.

Um casamento apressado se seguiu, e então uma lua-de-mel horrível: olhares furtivos e breves conversas sob a vigilância rígida de guardas armados.

Joshua Bright/The New York Times
Retrato de Isaac e Rosa Blum quando eles tinham cerca de 30 anos de idade e viviam na Argentina

Em 1941, os nazistas tinham ocupado a cidade polonesa de Czestochowa e estabelecido um gueto com cerca de 45 mil judeus. Foi nesse ambiente sombrio que os dois se conheceram, flertaram, se reuniram com amigos, tocaram discos e dançaram juntos.

No outono de 1942 --ele tinha 17 anos e ela 16--, os nazistas estavam reunindo os judeus para o extermínio. Blum foi retirado da fila para trabalhar na fábrica, enquanto sua família foi empurrada na direção dos trens que iam para Treblinka. Ele nunca mais os viu.

Naquele momento caótico e terrível, ele avistou Rosa, corajosamente abordou um oficial nazista e tentou salvar a adolescente que caminhava à frente com sua família. O soldado nazista a agarrou e perguntou se era irmã de Isaac, como ele afirmava. Ela disse que sim.

"Eu era jovem e forte, boa para trabalhar", disse Rosa. "Ele disse: 'Venha comigo' e eu fui tirada da fila."

As memórias continuam vívidas e amargas hoje, mas o lado positivo é que eles ainda têm um ao outro para envelhecer juntos, vivendo quase de forma independente e cuidando um do outro.

Ele a chama por um nome carinhoso em polonês que significa "velha". Ela o chama simplesmente de Blum e faz suas sopas favoritas todos os dias.

Isaac Blum é um sujeito sério, que considera ficar de mãos dadas uma tolice e, verdade seja dita, não vê significado no Dia dos Namorados.

"Ele não é muito romântico", disse Rosa, mas sua dedicação se revela nos pequenos presentes e em gestos carinhosos quase a contragosto.

"Temos um ponto de vista muito diferente, mas de alguma forma sobrevivemos", disse ela. "O que nos mantém juntos são as brigas. Esse é o cimento de um casamento."

"Eu o amo apesar de todos os seus defeitos", disse Rosa. "Não é tão fácil, mas eu não o trocaria por ninguém."

Os dois são espertos e ativos física e socialmente, mesmo que não sejam mais os jovens valentes que foram escolhidos para trabalhar para os nazistas.

Com suas famílias enviadas à morte, eles foram colocados em um gueto menor com cerca de 5.000 judeus. A mentira sobre serem irmãos fora esquecida, e eles obtiveram uma licença de casamento para que pudessem morar por um curto tempo em uma residência para casais, antes de serem separados em barracões diferentes no local da fábrica, que era patrulhada por guardas armados.

Joshua Bright/The New York Times
Isaac e Rosa Blum em sua casa no Brooklyn, Nova York

Eles trabalhavam muitas horas, ela como soldadora e ele como eletricista, o que lhe dava a oportunidade de se aproximar do local de trabalho de Rosa e trocar olhares disfarçados. Eles adoravam os poucos minutos de contato durante o "chamado almoço", lembra Rosa.

"Não sabíamos se iríamos viver, e queríamos estar juntos", disse ele.

Quando se soube que a maioria dos judeus estava sendo assassinada nos campos da morte, eles ficaram incrédulos e se consideraram felizes apesar do sofrimento.

"Não sabíamos que se podiam construir fábricas para matar pessoas", disse Isaac Blum. "Não queríamos acreditar nisso."

Enquanto Rosa Blum preparava o almoço para seu marido na segunda-feira, ela contou que ainda tem pesadelos sobre os horrores, que incluíam ser revistada nua com um grupo de mulheres enquanto soldados alemães observavam e riam. E ela esteve em um pavilhão médico depois de ser empurrada em uma escada por um nazista. Ali encontrou uma jovem judia que tentou esconder que estava grávida. Enfermeiras judias afogaram o bebê em um balde, temendo que o choro do bebê condenasse a todas.

Depois de ser libertados pelos Aliados perto do fim da guerra, em 1945, o casal ficou em um campo de pessoas deslocadas e se casou pela segunda vez, diante de uma autoridade da Áustria, com alianças emprestadas.

Pouco depois, eles conseguiram fazer suas alianças com uma moeda de prata que esconderam durante meses. As duas alianças se gastaram ao longo dos anos e os Blum nunca as substituíram.

Eles se mudaram para a Argentina e se casaram pela terceira vez, em uma cerimônia mais apropriada. Tiveram dois filhos e mudaram-se em 1963 para Nova York, onde Isaac Blum abriu um negócio de casacos de pele. Rosa fazia a maior parte do trabalho manual.

Eles se mantêm ocupados em parte com os programas para sobreviventes do Holocausto oferecidos pelos Selfhelp Community Services, que é financiado em parte pela UJA-Federation de Nova York.

Refletindo sobre por que arriscou a vida ao se aproximar do soldado nazista naquele dia em 1942, Isaac Blum disse simplesmente: "Eu queria ficar com ela".

Então Rosa Blum olhou com adoração para seu salvador nada romântico de 94 anos e disse: "Eles poderiam tê-lo matado ali mesmo, mas ele me amava e queria ficar comigo".

Tradutor: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos