Topo

Indígenas de vários países se reúnem na Rio+20 para apresentar propostas estratégicas

Índio matogrossense se prepara para descer do ônibus; tribos ficarão em aldeia urbana - AFP/Christophe Simon
Índio matogrossense se prepara para descer do ônibus; tribos ficarão em aldeia urbana Imagem: AFP/Christophe Simon

Renata Giraldi

Repórter da Agência Brasil, em Brasília

13/06/2012 10h31

 Paralelamente à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, cerca de mil índios de várias etnias e países estarão reunidos para debater as questões que angustiam os chamados povos originais. Confirmaram presença representantes da Nigéria, do Japão e do Canadá, além dos brasileiros. Os índios ficarão em uma aldeia urbana denominada Kari-Oca, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio.

Até o dia 22, os líderes indígenas deverão debater questões relativas ao meio ambiente e ao combate à pobreza. A Kari-Oca é formada por alojamentos, refeitório e cinco tendas para a discussão de temas e atividades culturais, além de duas ocas tradicionais de povos do Alto Xingu - erguidas com vigas de madeira levadas pelos índios

A  ideia é fazer uma reedição da Kari-Oca, como a que houve na Rio92. O objetivo é permitir que as sugestões apresentadas pelos líderes indígenas sejam analisadas pelos chefes de Estado e de Governo que se reunirão entre os dias 20 e 22. O documento final, a ser elaborado pelos índios, se baseará em três eixos: a cultura como parte essencial da economia verde, a soberania alimentar no mundo moderno e a sustentabilidade.

Em vários países latino-americanos, como o Equador e a Bolívia, os povos indígenas exercem forte influência nas decisões políticas e econômicas. Na Bolívia, por exemplo, é comum que os discursos públicos sejam feitos em espanhol e no idioma indígena predominante. O presidente boliviano, Evo Morales, sempre se dirige com destaque aos que chama de “povos originais”, em referência aos índios.

Mais Meio Ambiente