Topo

Catar abre a cúpula mundial da ONU sobre mudanças climáticas

Do UOL, em São Paulo

26/11/2012 12h14

Cerca de 17 mil pessoas de 190 países participaram da abertura da Cúpula da ONU (Organização das Nações Unidas) sobre Mudanças do Clima, a COP 18, nesta segunda-feira (26), em Doha, capital do Catar. A conferência anual deverá decidir o futuro do Protocolo de Kyoto, esboçar as bases de um grande acordo previsto para 2015, no qual devem participar os grandes poluidores do planeta, e avaliar os progressos de diferentes países na redução da emissão dos gases do efeito estufa.

A conferência, que acontece até o dia 7 de dezembro, foi inaugurada pela ministra de Relações Exteriores sul-africana, Maite Nkoana-Mashabane, que presidiu a cúpula anterior. Em seu discurso, a ministra insistiu na necessidade de "caminhar com a perspectiva de 2020 e conseguir fundos para lutar contra a mudança climática" e insistiu que a conferência oferece uma oportunidade única para "fazer história" e abrir um novo capítulo para 2020.

Maite passou o bastão para o diretor da Autoridade Administrativa de Controle e Transparência do Catar, Abdullah bin Hamad al Attiyah, que assumiu o cargo de presidente da COP18. Ele assinalou que a cúpula do Catar representa um desafio adicional, já que marca o final do primeiro período de compromisso do Protocolo de Kyoto.

Attiyah se mostrou "disposto a seguir escutando o que for necessário para enfrentar o desafio comum da humanidade e fazer o possível para assegurar um futuro melhor" para a geração atual e para as vindouras. Ele acrescentou que a cúpula é "uma oportunidade de ouro" e apostou na transparência, na participação e no fortalecimento do papel das partes como princípios básicos para a negociação.

Efeito estufa

A concentração sem precedentes de gases com efeito estufa na atmosfera (GEI, na sigla em inglês) e o risco de um aquecimento de 4º graus Celsius até 2060 ocasionaram apelos de alerta às vésperas da reunião organizada pelo Qatar, campeão mundial das emissões de GEI por habitante.

No momento, as iniciativas adotadas pelos diversos países para reduzir seus GEI estão longe de permitir conter o aquecimento de mais dois graus Celsius, o objetivo da comunidade internacional e limite além do qual o sistema climático poderá disparar com efeitos incontroláveis.

A secretária-geral da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática, Christiana Figueres, destacou que a reunião servirá para marcar o final do primeiro período de compromisso de Kyoto, chamando para uma "urgente resposta contra a mudança climática". Na sua opinião, Doha "apresenta o desafio único de olhar em direção ao presente e ao futuro".  

"O presente são os meios de aumentar o nível de ambição de forma urgente", ou seja, que os países assumam compromissos mais fortes em termos de redução de GEI, e "o futuro é um marco que se imporá a todos, com igualdade e em conformidade com o que requer a ciência ", acrescentou a chefe da ONU para o Clima sobre o acordo mundial previsto para 2015 e que deve entrar em vigor em 2020. 

A intenção em Doha é esboçar as bases desse acordo, comprometendo todos os países, inclusive a China, o maior poluidor do mundo, e repartir entre eles os esforços para limitar o aquecimento. 

Segunda fase de Kyoto

A assinatura de um segundo período de compromissos de Kyoto, após o fim desse tratado em dezembro de 2012, é um dos grandes temas, embora autoridades afirmem que ele vai ter um alcance simbólico. Isso porque o novo documento poderá ficar limitado a 15% das emissões de GEI mundiais – as da União Europeia e da Austrália -, já que Canadá, Rússia e Japão não querem participar e os Estados Unidos jamais ratificaram o documento. 

O texto só será concluído a partir de 4 de dezembro, quando os negociadores contarão com a participação de mais de 100 ministros para escrever o texto, em uma nova etapa do trabalhoso processo de negociações lançado em 1995. É a primeira cúpula sobre mudança climática realizada no Oriente Médio e a maior que acontece na história do Catar. (Com informações de agências internacionais)

Meio Ambiente