Emissões de CO² voltam a subir após três anos de estabilidade, diz estudo

Rebecca Staudenmaier

Da Deutsche Welle

  • Reprodução/The Express Tribune

As emissões de gases causadores do efeito estufa devem registrar um aumento de 2% em 2017, a primeira alta em três anos, segundo o relatório anual da ONG Global Carbon Project, publicado nesta segunda-feira (13).

É a primeira vez que as emissões registram um aumento depois de terem permanecido relativamente similares por três anos, de acordo com o relatório intitulado Orçamento do Carbono de 2017, apresentado na 23ª Conferência do Clima (COP23), em Bonn, Alemanha.

Com as emissões globais de CO2 de todas as atividades humanas estimadas em 41 bilhões [de toneladas métricas] para 2017, o tempo está se esgotando em nossa capacidade de manter o aquecimento global abaixo da margem de 2°C, muito menos abaixo de 1,5°C

Corinne Le Quere, pesquisadora-chefe e diretora do departamento de mudanças climáticas da universidade inglesa Esat Anglia

Veja também:

O estudo observou que, dos 41 bilhões de toneladas das emissões globais de CO², 31 bilhões decorrem da indústria e do uso de combustíveis fósseis.

O índice de emissões totais é um recorde, e especialistas estimam que o orçamento global de carbono chegue ao fim em 20 ou 30 anos. O orçamento, que se refere à quantidade de carbono que pode ser expelido para a atmosfera antes de exceder os objetivos traçados para combater a mudança climática, foi determinado pelo Global Carbon Project.

"Neste ano, vimos como as mudanças climáticas podem amplificar os impactos de furações, com chuvas mais fortes, elevações dos níveis do mar e condições oceânicas mais quentes, o que favorece tempestades mais poderosas", afirma Le Quere.

A especialista pede que se faça mais nos próximos anos para reduzir as emissões, a fim de limitar os impactos das mudanças climáticas. "Esta é uma janela para o futuro", completa.

Os pesquisadores dizem que as crescentes emissões globais estão, em grande parte, ligadas a uma recuperação da economia mundial.

A economia global está progredindo lentamente. À medida que o PIB [Produto Interno Bruto] aumenta, produzimos mais bens, o que respectivamente produz mais emissões

Robert Jackson, um dos coautores do relatório

Em 2017, a China, por exemplo, teve um aumento de 3,5% em suas emissões em relação a 2016 e hoje é responsável por 28% do total global. Na Índia, a alta foi de 2%, cifra que acompanha seu crescimento econômico.

As emissões de dióxido de carbono na Europa e nos EUA, por outro lado, estão a caminho de serem mais baixas em 2017 do que no ano anterior, com quedas de 0,2% e 0,4%, respectivamente. No entanto, segundo os pesquisadores, as atuais reduções de emissões em todo o mundo ainda são muito lentas a fim de reverter a tendência crescente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos