PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Conteúdo publicado há
15 dias

Inpe: Desmatamento na Amazônia tem alta de 22% e é o maior desde 2006

28 jul. 2021 - Vista aérea mostra área de desmatamento na fronteira entre a Amazônia e o Cerrado, em Nova Xavantina, no Mato Grosso - Amanda Perobelli/File Photo/Reuters
28 jul. 2021 - Vista aérea mostra área de desmatamento na fronteira entre a Amazônia e o Cerrado, em Nova Xavantina, no Mato Grosso Imagem: Amanda Perobelli/File Photo/Reuters

Do UOL, em São Paulo*

18/11/2021 19h49

O desmatamento da Amazônia atingiu a marca de 13.235 km² quadrados entre 1º de agosto de 2020 e 31 julho de 2021. O número representa uma alta de 21,97% na comparação com o ano anterior, segundo dados divulgados hoje pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

A área desmatada no mesmo período, entre 2019 e 2020, foi de 10.851 km². Os números foram levantados pelo Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite) e publicados pelo governo federal.

Esse mapeamento, feito com base em imagens de satélite, é um dos mais precisos. O Prodes considera como desmatamento a remoção total da cobertura florestal primária por corte raso, independentemente da futura utilização destas áreas.

De acordo com o Observatório do Clima, este é o maior índice registrado desde 2006, quando o levantamento aprontou 14.286 km² destruídos. Além disso, a alta é a terceira consecutiva desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e também a primeira vez desde 1988, ano de início das medições, em que a devastação sobe por quatro anos seguidos.

Gráfico desmatamento na Amazônia - Divulgação/Observatório do Clima - Divulgação/Observatório do Clima
Imagem: Divulgação/Observatório do Clima

De acordo com os dados do Prodes, os estados do Pará, Amazonas, Mato Grosso e Rondônia correspondem a 87,25% do desmatamento total estimado na Amazônia Legal Brasileira. Além disso, o levantamento mostra que houve um crescimento do desmatamento em todas as regiões verificadas.

O número alto, no entanto, ainda pode aumentar. Isso porque os valores apresentados hoje são uma estimativa da taxa de desmatamento do 2021 e o valor consolidado será apresentado no primeiro semestre de 2022.

Governo promete força contra crimes ambientais

A taxa de desmatamento registrada vai na contramão do prometido pelo Brasil durante a COP26 em Glasgow, na Escócia, no início deste mês. Na ocasião, representantes de mais de 100 países assinaram um acordo para proteção de florestas. A meta é zerar o desmatamento no mundo até 2030.

Os ministérios da Justiça e do Meio Ambiente anunciaram hoje que preparam ações integradas, com uso de inteligência policial, para coibir o desmatamento no país. A situação é vista como um desafio pelo governo federal.

O ministro da Justiça, Anderson Torres, prometeu o uso de "toda a força" para combater e evitar crimes ambientais. Em entrevista coletiva, ele falou também em permitir que o país cumpra as metas de zerar o desmatamento ilegal assumidas na COP26. O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, falou que o governo deverá ser "mais contundente" para combater o desmatamento.

* Com informações da Reuters

Meio Ambiente