Partido Republicano vê no casamento gay uma questão para a campanha presidencial de 2004

Mary Leonard

Estrategistas republicanos estão planejando tornar o casamento entre homossexuais uma questão determinante na corrida presidencial de 2004. A estratégia dependerá da decisão da Suprema Corte de Massachusetts, que definirá se casais de mesmo sexo podem se casar legalmente na Commonwealth, uma decisão tão ansiosamente esperada na capital como no Estado da Baía.

A decisão poderá tornar Massachusetts o primeiro Estado a permitir casamentos homossexuais -que, eventualmente, outros Estados terão que honrar, dizem opositores.

Eleitores conservadores querem que o presidente Bush faça campanha contra o casamento gay em 2004. Membros do Partido Republicano estão estudando Estados nos quais as uniões de mesmo sexo podem vir a ser uma questão decisiva em disputas nacionais e estaduais. Além disso, estão considerando se o partido deve endossar uma emenda constitucional federal que sanciona apenas o casamento heterossexual.

Enquanto isso, grupos conservadores estão se mobilizando: estão angariando fundos para fazer campanhas no ano que vem, reunindo voluntários para pressionar os candidatos a se oporem ao casamento gay e organizando petições e iniciativas em favor da emenda constitucional.

O presidente Bush não endossou a emenda proposta, mas disse, em julho: "Acredito que o casamento se dê entre um homem e uma mulher. E acho que precisamos legislar isso, de uma forma ou de outra".

O casamento homossexual pode ser um terreno perigoso para a Casa Branca, dividida entre a importante base de conservadores religiosos do presidente e eleitores suburbanos indecisos, que são mais tolerantes aos direitos gays. "Espero que isso não seja uma grande questão de campanha", disse uma alta autoridade da Casa Branca.

Ed Gillespie, diretor do Comitê Nacional Republicano, disse a vários grupos que os advogados do partido estão avaliando como a decisão da corte de Massachusetts poderia afetar outros Estados e o governo federal, caso seja em favor do casamento gay. Ele acredita que o partido tomará uma posição quanto à emenda constitucional depois da decisão do caso Goodridge contra o Departamento de Saúde Pública.

"Minha sensação é que todas essas coisas estão sendo consideradas e pesadas e levarão a um ponto de decisão, quando a Suprema Corte de Massachusetts opinar", disse Gillespie, recentemente, aos repórteres. Ele acrescentou que não ficaria surpreso se a plataforma do Partido Republicano abordasse o casamento homossexual "de uma forma ou de outra".

Em um relatório divulgado em julho, o Comitê de Política Republicana do Senado concluiu que, com uma decisão favorável em Massachusetts, será possível para os defensores dos direitos dos homossexuais derrubar o Ato de defesa do Casamento. Esta lei federal define o casamento como união legal entre um homem e uma mulher e dá aos Estados o direito de se recusarem a reconhecer casamentos gays celebrados em outros Estados. Há também leis em 37 Estados que negam os benefícios legais e financeiros do casamento a casais homossexuais.

No dia 4 de março, juizes da mais alta corte do Estado ouviram os argumentos no caso Goodridge, impetrado por sete casais de mesmo sexo. Eles processaram o Departamento de Saúde Pública do Estado por negar-lhes licença de casamento. A decisão de alto perfil pode ocorrer qualquer dia desses, disse a porta-voz da corte Charlotte Whiting, na terça-feira (4/11).

O caso, acompanhado de perto, está impulsionando tanto defensores quanto opositores dos direitos dos homossexuais. Quinta-feira, em Boston, advogados dos direitos gays, junto com os reclamantes do caso Goodridge, lançaram uma campanha nacional ressaltando como os casais de mesmo sexo em relacionamentos de longo prazo, sem o casamento, não têm proteções legais e benefícios de pensão e médicos. Um anúncio de uma página no Globe, na quinta-feira, mostrava duas mulheres e perguntava: "Por que os grupos 'pró-família' estão atacando este casal dedicado?"

"Duvido que os republicanos consigam tornar isso uma questão de campanha, mas vejo a pressão por uma emenda constitucional como um ataque direto nas famílias de Massachusetts envolvidas neste caso", disse Mary Bonauto, advogada dos querelantes do caso Goodridge e porta-voz do grupo patrocinador do anúncio, Advogados e Defensores de Gays e Lésbicas de Boston.

Nenhum dos principais candidatos democratas apóia o casamento gay, mas todos estão cortejando os ativistas homossexuais e jovens eleitores com promessas de combater a emenda constitucional, endossar uniões civis e expandir os benefícios domésticos a casais de mesmo sexo. No debate "Rock the Vote", na terça-feira à noite no Faneuil Hall, Howard Dean salientou que, como governador de Vermont, ele assinou a primeira lei de união de mesmo sexo da nação. O general aposentado Wesley K. Clark disse que defende o direito dos gays de servirem o exército e que, como presidente, ele reveria a política do Pentágono de "não pergunte, não fale".

Uma recente pesquisa da ABC News revelou que 51% dos entrevistados com menos de 35 anos de idade apóiam o casamento de mesmo sexo. No entanto, a maioria de todos os entrevistados, 55%, disse que não. Como grupo, mulheres são mais a favor aos direitos dos gays que os homens, mas se opõem mais fortemente ao casamento gay, disse Celinda Lake, democrata que faz pesquisas de opinião. Uma decisão em favor do casamento homossexual em Massachusetts poderá gerar uma reação do público, que os republicanos poderão usar contra Dean ou John F. Kerry, um dos 14 democratas do Senado que votaram contra o Ato de Defesa do Casamento em 1996, disse Lake.

O fato de a decisão acontecer em uma corte no Massachusetts -Estado considerado por alguns líderes republicanos como posto liberal- eleva a temperatura em torno da questão a ponto de fervura, disse Patrick C. Guerriero, ex-deputado estadual e prefeito de Melrose. Guerriero hoje preside o grupo Republicano Log Cabin, que promove os direitos dos gays no partido. "As pesquisas talvez indiquem que seria interessante usar o casamento gay como questão diferenciadora... O que aprendemos em 1992 é que permitir que conservadores como Gary Bauer, Pat Buchanan e Pat Robertson imprimam sua política social assustadora somente prejudicará os republicanos", disse Guerriero.

Sandy Rios, entretanto, presidente do grupo Mulheres Preocupadas dos Estados Unidos, disse que grupos conservadores como o seu estão "absolutamente determinados" em fazer oposição ao casamento de mesmo sexo. Eles querem fazer da proibição constitucional um "teste" para os candidatos de 2004. Ela criticou os republicanos por demorarem em politizar a questão e instou Bush a deter os "terroristas morais".

"Os republicanos não estão prontos para o mergulho. Portanto, nosso papel é empurrá-los para o abismo", disse Rios, que prevê que uma determinação da corte permitindo o casamento gay poderia levar ao "caos sexual" e à destruição da vida familiar americana.

O ativista conservador Paul Weyrich disse que membros da Casa Branca afirmaram que o presidente endossaria uma proibição constitucional ao casamento gay quando houver uma decisão judicial. "Haverá um impulso - faz perfeito sentido político", disse Weyrich, que chefia a Fundação Congresso Livre.

No site da Web Nogaymarriage.com, a Associação da Família Americana está angariando fundos e já coletou mais de 728.000 assinaturas em apoio à Emenda de Casamento Federal. O site afirma que "o casamento homossexual será uma realidade, em breve", porque a corte em Massachusetts "deverá" decidir em favor dos casais homossexuais.

Em Nova Jersey, na quarta-feira, um juiz da Corte Superior encerrou um processo iniciado por sete casais homossexuais. Ele alegou que a constituição do Estado não garantia seu direito de casar e instou a Câmara Legislativa do Estado a expandir os direitos legais a parceiros de mesmo sexo. Advogados dos casais disseram que entrariam com recurso na Suprema Corte de Nova Jersey.

Antecipando decisão similar na corte de Massachusetts, um grupo de Democratas na Câmara está tentando escrever uma lei que faça cessões para os dois lados, expandindo em muito os direitos dos casais homossexuais e afirmando uniões civis, mas não o casamento. Ativistas gays, entretanto, dizem que o casamento é essencial para garantir aos casais de mesmo sexo os mesmos direitos.

Gillespie, do Partido Republicano, parece determinado em fazer a admissão legal de relacionamentos gays uma questão de campanha, mesmo que a corte de Massachusetts não garanta os direitos de casamento.

"Acho difícil distinguir entre uniões civis e casamento gay", disse Gillespie. Deborah Weinberg

UOL Cursos Online

Todos os cursos