John Kerry investe em territórios republicanos

Glen Johnson
Em Davenport, Iowa

Os caminhos de John F. Kerry e George W. Bush se cruzarão em campanha em Iowa, nesta quarta-feira (4/8), mas o candidato presidencial democrata já vem recentemente percorrendo uma rota republicana.

A turnê de ônibus pós-convenção de Kerry tem viajado por um caminho pouco percorrido pelos democratas, parando em áreas na Pensilvânia, Ohio, Virgínia Ocidental e Michigan, que são ou fortalezas tradicionais republicanas ou comunidades onde o presidente republicano venceu em 2000.

Ao longo do caminho, o senador de Massachusetts buscou votos não apenas em território tradicionalmente republicano, mas também mencionando alicerces políticos republicanos. Ele tem argumentado que tanto pode ser melhor para a segurança nacional do que Bush quanto um melhor guardião da economia do país.

"Vejam, eu não estou aqui para atacá-lo, mas nós podemos fazer melhor do que ter o pior retrospecto desde Herbert Hoover na criação de empregos nos Estados Unidos da América. Nós podemos criar empregos neste país", disse Kerry nesta terça-feira para uma multidão reunida em uma ocioso rinque de hóquei em Beloit, Wisconsin.

Os eleitores de Wisconsin preferiram Al Gore em vez de Bush em 2000, por uma margem de 4%, mas Kerry fez praticamente o mesmo discurso um dia antes em Grand Rapids, Michigan, e antes disso em Zanesville, Ohio, Estado onde Bush derrotou Gore na última eleição.

O "Almanac of American Politics" (almanaque da política americana) descreve Grand Rapids, cidade do ex-presidente Republicano Gerald R. Ford, como "o centro do republicanismo em Michigan por grande parte do último século", apesar dos democratas terem vencido lá nas últimas três eleições presidenciais.

O companheiro de chapa de Kerry, o senador John Edwards, da Carolina do Norte, também tem buscado atrair os republicanos durante sua viagem ao Tennessee e Flórida nesta semana. Na segunda-feira, ele disse aos cubanos-americanos em Miami, que tradicionalmente votam nos republicanos, que os democratas na Casa Branca pressionarão Fidel Castro e "promoverão a liberdade não apenas no mundo, mas também neste hemisfério".

Apesar de Kerry ter parado em fortalezas democratas durante sua viagem de 15 dias pelo país, incluindo Milwaukee, Beloit, Dubuque, Iowa e Davenport, na área de Quad Cities, na margem oposta do Rio Mississippi de Moline, Illinois, ele e sua equipe programaram intencionalmente visitas a comunidades de inclinação republicana em sua busca de votos entre pessoas insatisfeitas com Bush, mas que não sabem se Kerry é uma alternativa aceitável.

"John Kerry quer unir o país. Ele acha que há algo errado com uma política que segrega o país em Estados Vermelhos (republicanos) e Estados Azuis (democratas), e porque este presidente e seu partido abandonaram a política do conservadorismo", disse David Wade, um porta-voz de Kerry.

Ele acrescentou: "Dwight Eisenhower rolaria em seu túmulo se visse uma política externa que nos deixa isolado. Teddy Roosevelt não reconheceria um Partido Republicano que rasga a preservação para que caçadores e pescadores possam desfrutar do tesouro dos Estados Unidos. Barry Goldwater se encolheria de medo de um Partido Republicano que rasga a Constituição e pisa nos direitos constitucionais. E Ronald Reagan não reconheceria um Partido Republicano que envia tropas para a guerra sem um plano para obter a paz".

A estratégia fez Bush e sua campanha rirem e acusarem Kerry de mudar de forma para conquistar votos a todo custo.

"Quando John Kerry esteve da última vez na região central, ele disse que representava os valores conservadores de lá, e disse que acreditar que a vida começa na concepção. Antes da Comissão de 11 de setembro divulgar seu relatório oficial, John Kerry estava atacando o presidente em relação à inteligência, apesar de John Kerry ter proposto um corte de US$ 7,5 bilhões na área de inteligência durante os anos 90", disse Steve Schmidt, um porta-voz da campanha de Bush. "O que John Kerry deixou claro é que dirá qualquer coisa a qualquer um a qualquer momento caso acredite que se beneficiará politicamente."

Nos próximos dias, Kerry visitará Jefferson City, no Estado de Missouri, parte de Cole County, que votou em Bush, 61,5% contra 36,8% para Gore, e La Junta, Colorado, localizado em Otero County, que deu a Bush 54,9% dos votos e 39,8% para Gore.

Na quarta-feira, ele e Bush agendaram visitas a Davenport, separadas por cerca de meia hora, com Kerry falando para os líderes empresariais e Bush tentando ganhar votos no que deveria ser o território de Kerry, falando em um comício.

Falando na terça-feira em Beloit, Kerry disse: "Nós temos que voltar a ter responsabilidade fiscal e esta é uma promessa que John Edwards e eu fazemos. (...) Ao longo do caminho, certamente eu votei em algumas coisas que aumentariam alguns gastos, mas também mostrei de onde tiraríamos o dinheiro para isso". Candidato democrata faz campanha em redutos de George Bush George El Khouri Andolfato

UOL Cursos Online

Todos os cursos