UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL

Cox News Service

15/06/2004
Michael Stipe estréia seu filme e prepara o novo disco do R.E.M.
Vocalista da banda é produtor de "Saved!", sátira que aborda fé e homossexualismo

Leslie Gray Streeter
Em West Palm Beach, Flórida



"Você viu o filme?" perguntou o produtor de cinema com um firme aperto de mão. "Você gostou?" É comum que tal pergunta direta seja insincera e sirva apenas para tirar proveito, sobretudo quando são feitas por ratos de Hollywood chamados Irv ou Bobby, com bronzeados permanentes e sorrisos largos.

Mas Michael Stipe, o produtor do outro lado deste aperto de mão em particular, é praticamente o contrário disto.

Nas entrevistas para televisão e vídeo, o vocalista do R.E.M., ativista político, produtor de cinema e sujeito discreto pode parecer introvertido e sério. Mas pessoalmente, sentado em uma cadeira de couro entre as mesas de mixagem do estúdio de gravação Hit Factory de Miami, ele é intelectualmente intenso mas caloroso, como o sujeito mais esperto e simpático de sua revista literária do campus.

"Chegue mais perto, você está muito longe", disse Stipe, puxando a cadeira de seu companheiro na sua direção. Ele está no Hit Factory para gravar o 14º álbum de estúdio da banda, mas fez uma pausa para discutir "Saved!", o mais recente filme de sua produtora Single Cell Pictures.

Dirigido pelo diretor estreante Brian Dannelly e estrelado por Jena Malone, Macaulay Culkin e a estrela pop Mandy Moore, "Saved!" é uma sátira bem-humorada sobre Mary (Malone), uma estudante dedicada e bem-intencionada de um colégio cristão. Ela fica grávida em sua busca para "curar" seu namorado de ser gay, agindo segundo o que acredita ser uma ordem de Jesus Cristo. Situado nos anos 80 de "O Clube dos Cinco", ele tem o ferrão satírico de paródias colegiais como "Atração Mortal".

Obviamente, "Saved!", que custou cerca de US$ 5 milhões, é o tipo de filme pequeno que atrai muita atenção daqueles de todos os lados do debate religioso. A Liga Católica e o padre Jerry Falwell o condenaram. Mas ele também tem sido elogiado por alguns cristãos e está atraindo o público.

Lançado há três semanas em apenas um punhado de cinemas, o filme passou a ser exibido em um número maior de salas na última sexta-feira (11/06) e faturou US$ 2 milhões no último fim de semana, totalizando US$ 4 milhões de bilheteria. Na semana passada, Stipe discutiu "Saved!", o novo álbum do R.E.M. e a feliz falta de anonimato que encontrou no Sul da Flórida, onde a banda grava com freqüência.

Pergunta: Quando "Saved!" estava sendo feito, você e os outros envolvidos no filme teriam dito que não tinham conhecimento de "A Paixão de Cristo", outro filme que lida com questões espirituais, embora de forma diferente, é claro. Você assistiu "A Paixão de Cristo"?

Michael Stipe: Eu não precisei assistir. Eu li o livro.

Pergunta: Ok! Uma das primeiras coisas que notei nos créditos de abertura de "Saved!" foi a adorável versão de "God Only Knows" dos Beach Boys. Eu reconheci a voz de Mandy Moore, então ouvi esta outra voz e pensei: "Espera aí... eu conheço esta pessoa! É o Michael Stipe!" Como você foi parar cantando nesta faixa?

Michael Stipe: Foi tipo: "Espere, isto é familiar!" (Risos.) Eu imaginei que se funcionar, funcionou, e se não... Mas a idéia era sedutora demais, parecia perfeito demais cantar esta canção com Mandy Moore. Eu geralmente não misturo meu emprego diurno (ele gesticula para o estúdio ao redor) com os outros projetos que faço.

Pergunta: Bem, funcionou.

Michael Stipe: Obrigado. Sabe, eu não imaginei que minha voz fosse tão reconhecível. Outro dia eu estava ao telefone, e a pessoa do atendimento ao cliente disse: "É quem eu penso que é?"

Pergunta: Eu aposto que você é bastante reconhecido.

Michael Stipe: Eu estava na calçada a caminho do trabalho nesta manhã, quando parei no semáforo. E este sujeito alto parado ao meu lado, que acho que era cubano, olhou para mim e disse: "Você sabe quem você é?" (...) E fui comprar um cartão de aniversário para minha irmã nesta manhã, e a mulher do caixa era uma negra de pouco mais de 20 anos, que disse: "Você não é... não pode ser... é você, Michael?" E então veio o chefe dela ou colega de trabalho, branco, e ele disse: "Eu assisti ao último concerto de vocês no Omni. Foi ótimo". (Sorriso.) Miami nos ama!

Pergunta: Não estou surpreso. Eu acho que o R.E.M. ultrapassa as divisões culturais e de geração. Você é bastante reconhecível.

Michael Stipe: Isto significa muito para mim. Muito obrigado. Eu acho que a banda ultrapassou as fronteiras mais simplistas.

Pergunta: Eu sei que vocês estão gravando seu novo álbum agora. Como está indo?

Michael Stipe: Está quase terminado, graças a Deus. Eu estou confiante. Eu nunca me senti tão confiante a esta altura do jogo. Demorou demais, eu estou cheio disto. Nós temos 28 canções, 17 concluídas. Isto é cerca de seis vezes mais do que o habitual.

Pergunta: Eu li recentemente um citação sua em que você disse que seu último lançamento, a coletânea de sucessos de 2003, "In Time", era como encerrar um capítulo da carreira do R.E.M. Como o novo material se encaixa neste novo capítulo?

Michael Stipe: Eu acho que parece bem mais atual.

Pergunta: Você escuta muita música de outras pessoas enquanto está gravando?

Michael Stipe: Peter -Peter Buck, meu guitarrista- é meu exato oposto nisto. Ele absorve música e livros em um ritmo que nunca vi antes. Ele compra 30 DVDs e CDs de uma só vez. Ele vai assistir a música ao vivo, novas bandas, tudo. Mas meu temor é de que eu roubaria algo (de outro artista) sem perceber. (Risos.) "Eu sou tão brilhante... Não, Polly Harvey é realmente brilhante, e eu roubei isto dela!"

Pergunta: Isso acontece?

Michael Stipe: Absolutamente. Eu compus esta canção chamada "Disappear", e então dias depois eu percebi que era uma canção do Radiohead chamada "How To Disappear Completely". Eu telefonei para Thom Yorke (o vocalista do Radiohead) e deixei uma recado dizendo: "Thom, acho que roubei sua canção", mas ele não retornou minha ligação. Eu fiquei chateado. Finalmente, algumas semanas depois, eu tive notícias dele, e ele disse: "Michael, aquela canção veio de uma conversa que tivemos quatro anos atrás!"

Pergunta: Então isto significa que vocês têm propriedade mútua sobre a idéia?

Michael Stipe: Sim. Eu não me senti mais tão mal.

Tradução: George El Khouri Andolfato

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA