UOL Notícias Internacional
 

29/03/2007

Cristãos ortodoxos na Etiópia - Bem vindo a Jerusalém, África

Der Spiegel
Erich Wiedemann
De cima, Lalibela parece uma aldeia como outra qualquer. Um oceano de barracos de ferro corrugado, cobertos por finas colunas de fumaça que condensam em uma névoa azulada no platô pedregoso. É uma cena comum na Etiópia.

Lalibela, entretanto, não é apenas uma aldeia. É a capital dos cristãos da Etiópia, seu "lugar sagrado", sua "maravilha do mundo". E em nenhuma outra parte isso fica mais claro do que em Bet Gyiorgis, Igreja de São Jorge. A estrutura monumental -escavada nas rochas no limite ocidental da cidade- tem cerca de 800 anos de idade. Construída na forma de cruz, é cercada por um fosso seco que ajuda a separá-la das 10 outras igrejas nas pedras, todas interconectadas por túneis subterrâneos.

O interior é uma penumbra iluminada por lamparinas de gordura de boi. Um pouco de luz do dia penetra pelas janelas estreitas. O cheiro de incenso perfuma o ar. Homens idosos e barbados, de túnicas brancas, sentam-se ao longo das paredes, lendo bíblias escritas à mão.

Um murmúrio religioso ressoa pela igreja, suavemente pontuado por música de harpa tocada por um menino em uma "bagana" - instrumento de cordas e madeira, decorado com placas de bronze brilhantes.

Cerca de 40% dos 68 milhões de etíopes são cristãos ortodoxos. Sua fé e tradições remontam a 1.600 anos atrás. De acordo com a lenda, sua igreja foi estabelecida como conseqüência não intencional de um seqüestro. Dois cristãos chamados Frumentios e Aidesios - ambos moradores do Tiro - foram acostados no Mar Vermelho e levados para Aksum, capital da Etiópia na época. Cultos, logo se estabeleceram como tutores privados da família real. Eles não só ensinaram matemática e grego aos filhos do rei, mas também passaram os fundamentos de sua fé cristã.

Contemporâneo de Gêngis Khan

Obviamente, os cristãos foram persuasivos. Em meados do século 4, o rei Ezana decidiu se batizar. Poucos anos depois, o cristianismo foi proclamado religião nacional. Apesar disso, a Igreja Ortodoxa Etíope foi comandada durante séculos por um metropolitano nomeado pelo patriarca cóptico da Alexandria. Foi apenas no meio do século passado que a igreja etíope tornou-se autônoma e nomeou seu próprio patriarca em Addis Ababa. Agora estão sob sua égide as 17 eparquias na Etiópia e bispados em Núbia e Jerusalém.

As igrejas em Lalibela foram construídas por um rei do mesmo nome - contemporâneo de Gêngis Khan e Barbarossa. Ele queria criar uma nova Jerusalém, que Saladim reclamara dos cruzados em 1187. Com acesso negado à Terra Santa, peregrinos da Etiópia e dos pequenos Estados cristãos junto ao Nilo poderiam fazer suas adorações ali. O riacho que atravessa a cidade foi chamado de Jordão, e o morro acima de Monte Tabor.

Por séculos, as conquistas islâmicas em regiões vizinhas isolaram a Etiópia do mundo cristão. Ainda assim, sua herança cristã -as preces, hinos e linguagem litúrgica Ge'ez - foi preservada pelos séculos.

A glória da Eucaristia Ortodoxa é tangível nas igrejas de Lalibela, acima de tudo durante o festival de Timkat, que comemora o batismo de Cristo no Jordão. Nas vésperas do evento, procissões subterrâneas passam pelas igrejas, acompanhadas pelo soar de sinos e cornetas. Padres e diáconos vestidos de veludo escuro decorados lideram o caminho. Sobre suas cabeças, levam os "tabots", tabletes de madeira simbolizando a Arca da Aliança.

As peças são colocadas em uma grande tenda, fora da qual os fiéis congregam, esperando a noite toda para compartilhar os poderes sagrados que acreditam estar investidos nos "tabots".

O ritual não é menos solene ou impressionante do que a unção de um cardeal no Vaticano. O padre estabelece uma cadência com seu bastão poderoso e canta: "Kyrie eleison". Os fiéis descem ao chão 30, 40 ou até 50 vezes.

Entretanto, essas tradições antigas e seu cumprimento forçado pela igreja são parcialmente culpados pelo mergulho da Etiópia em terrível pobreza nos últimos 50 anos. Como pode um país se sustentar se o povo só pode arar os campos uma vez a cada dois dias?

Costumes judeus adotados

O calendário ortodoxo lista mais de 150 feriados e 180 dias de jejum, nos quais os cristãos não podem trabalhar e só podem comer uma refeição. Os feriados muçulmanos - cerca de 45% da população- comem ainda mais a semana de trabalho. E o sabá ainda é celebrado em zonas rurais - uma relíquia da dinastia salomônica que dominou a Etiópia no século 13 e adotou inúmeros costumes judeus.

O clero em Addis Ababa, capital do país desde o fim do século 19, talvez esteja perdendo lentamente sua autoridade, mas os padres nas terras altas celebram os feriados com punho de ferro. A punição segue inexoravelmente quem não os cumpre. Sem mencionar a perspectiva de acabar no inferno.

Além disso, a igreja ainda define o calendário. O ano etíope tem 12 meses de 30 dias, com cinco ou seis dias adicionais. O patriarcado recusa-se a permitir mudanças. O governo procurou adotar o calendário ocidental moderno em diversas ocasiões, sempre frustrado pelo clero. Na prática, a separação entre a igreja e o Estado ainda tem que ser implementada.

O cristianismo também é responsável por outro fenômeno na Etiópia: arrogância racial. Vendo sua fé como superior às religiões naturais da África, cristãos ortodoxos consideram-se o povo escolhido. Em suas mentes, o retrato -as ilustrações dos livros sagrados- de pessoas de pele mais clara como governantes da Terra Prometida e os negros como seus serviçais é evidência da vontade de Deus.

Civilização de estilo mediterrâneo

Apesar da sede da Organização pela União Africana ter sido em Addis Ababa por décadas e a União Africana estar baseada ali, os etíopes não se vêem como africanos. De acordo com o etnólogo do Munique Walter Raunig, a Etiópia é um dos "últimos postos ao Sul da civilização de estilo mediterrâneo".

Os rastafáris de Shashemene, pequena cidade a 240 km ao Sul da capital escaparam dessa discriminação; apesar de sua cor, eles têm todo respeito dos cristãos. Os rastafáris estabeleceram sua colônia nos anos 60, e depois alguns membros entraram para a comunidade cristã ortodoxa da Etiópia. Seu nome deriva-se do nome de nascença do imperador etíope Haile Selassie: Ras Tafari Makonnen. Eles o reverenciavam como reencarnação de Jesus Cristo.

No início de 2005, Rita Marley, viúva do lendário astro do reggae Bob Marley, anunciou que ia transferir o corpo de seu marido da Jamaica para Shashemene no 60º aniversário de seu nascimento. Mas ela foi forçada a abandonar seus planos: a Jamaica recusou-se a liberar os restos mortais de seu herói nacional.

Ainda assim, o espírito do cantor esteve entre eles em seu 60º aniversário, de acordo com os rastafáris etíopes. No dia 6 de fevereiro de 2005, "Buffalo Soldier" de Marley era ouvido nas ruas de Shashemene: "Roubado da África, trazido para a América, lutando ao chegar, lutando para sobreviver - Woy yoy yoy!" Os cristãos ortodoxos da Etiópia estão entre as comunidades cristãs mais antigas do mundo. Seus hinos e preces foram preservados e transmitidos através dos tempos. Mas com seus numerosos feriados religiosos, a tradição cristã também agrava a pobreza do país Deborah Weinberg

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h49

    -0,46
    3,154
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h55

    2,16
    70.115,24
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host