UOL Notícias Internacional
 

09/02/2009

Planos para a detenção de imigrantes africanos ilegais provocam indignação em ilha italiana

Der Spiegel
Clemens Höges
Em Lampedusa (Itália)
Da Der Spiegel
Moradores da ilha italiana de Lampedusa estão se rebelando contra Roma. Milhares de refugiados que chegaram lá de barco poderão ser em breve colocados em um centro de detenção na pequena ilha, para impedir que entrem na União Europeia e desapareçam.

Quando os dramas tornam-se comuns, até mesmo os idealistas podem às vezes parecer insensíveis. Antonino Maggiore diz que deseja construir "um mundo melhor" - para os italianos, ainda mais para os estrangeiros perseguidos e, na verdade, para todo mundo. Maggiore tem 25 anos, uma idade na qual é de se esperar pronunciamentos idealistas desse tipo. Ele dirige uma organização chamada Juventude Alternativa e trabalha para a emissora Rádio Delta, na ilha de Lampedusa, ao largo da costa do norte da África, um posto avançado da fortaleza Europa.

Os amigos dele na Rádio Delta transmitem músicas alegres que promovem um mundo melhor, enquanto Maggiore relata as notícias do mundo real. No entanto, só há um tipo de notícia que ele nunca lê: a de que as duas embarcações cinzentas da alfândega de Lampedusa rebocaram mais um barco a remo caindo aos pedaços até o porto da ilha. Alguns dos passageiros - homens, mulheres e crianças da África - estão invariavelmente mortos ou semi-mortos quando chegam a Lampedusa. "Se eu tivesse que falar sobre essas histórias todas às vezes que elas ocorrem, estaria noticiando a mesma notícia todos os dias", diz Maggiore.

No ano passado, 36.952 refugiados chegaram de barco às costas italianas. Cerca de 31 mil deles desembarcaram em Lampedusa. Ninguém sabe quantos morreram na tentativa de chegar à Europa. As organizações de auxílio humanitário calculam que para cada três refugiados que chegam vivos, um morre no mar.

O próprio continente africano é, de certa forma, como o mar que os migrantes atravessam. Ele envia ondas sucessivas de refugiados que vão quebrar-se todos os anos nas escarpadas costas europeias. É impossível deter as ondas, e a única forma de controlá-la é construindo novos quebra-mares. Os espanhóis deram início ao processo, primeiro selando o Estreito de Gibraltar e, depois, os seus enclaves norte-africanos de Ceuta e Melilla. Atualmente a rota de 130 quilômetros da Tunísia a Lampedusa, uma viagem de dez horas em barcos de pesca, é a mais fácil para os refugiados oriundos da África.

E, conforme argumenta o primeiro-ministro Silvio Berlusconi, é precisamente por isso que a ilha turística mediterrânea precisa transformar-se no quebra-mar mais eficiente da Europa. A sua coalizão de centro-direita deseja construir um novo centro de detenção de grande porte na ilha. Durante as eleições de abril do ano passado, os partidos de direita do país prometeram expulsar os imigrantes ilegais o mais rapidamente possível. E agora eles estão a ponto de cumprir a promessa - em Lampedusa.

Segundo a nova política proposta por Roma, os migrantes não serão mais transportados diretamente para o continente, mas sim para campos de refugiados na ilha. Lampedusa é ideal para isso. Não é possível sair de lá sem um barco, e um forasteiro teria dificuldades para se esconder por mais do que alguns minutos na única cidade da ilha. Algum dia os africanos serão deportados para algum outro país - mas isso será difícil e demorado.

Os 6.000 italianos que moram em Lampedusa passaram as duas últimas semanas fazendo rebeliões e greves para protestar contra os planos do governo para a ilha. Eles temem que o centro de detenção possa prejudicar o turismo, uma das bases da economia local. Afinal, quem vai passar férias em Guantánamo? Alguns temem que milhares de refugiados venham para Lampedusa, e que toda essa operação seja maior do que aquela referente ao famoso campo de detenção norte-americano.

Apesar de tais temores, não existe aqui nenhum graffiti racista ou xenófobo. Os moradores não entoam slogans hostis, e os italianos chegaram até a construir um memorial em homenagem aos refugiados que se afogaram. Muitos desejam aos africanos uma vida boa - mas não na ilha. Quanto a isso, eles concordam com os cerca de 1.300 refugiados que encontram-se atualmente trancados no velho campo provisório, que foi construído para acomodar 380 pessoas.

Os moradores de Lampedusa dirigem a sua raiva contra Berlusconi e o ministro do Interior, Roberto Maroni, da direitista Liga do Norte. Eles estão especialmente revoltados com a recente declaração de Berlusconi, que afirmou desconhecer qualquer situação precária em Lampedusa, e acreditar que os refugiados têm liberdade "para sair quando quiserem e tomar uma cerveja". Agora os moradores da ilha temem que os turistas achem que encontrarão africanos bebendo na ilha. Já os refugiados sabem por experiência própria que as palavras do primeiro-ministro não fazem sentido.

Dois dias atrás, os italianos, liderados pelo prefeito de Lampedusa, fizeram uma passeata até o campo de detenção. Ao vê-los, os refugiados pularam as cercas, gritaram "liberdade, liberdade" e juntaram-se à marcha de protesto.

A seguir os moradores da ilha fizeram uma greve geral, praticamente paralisando Lampedusa. A atividade na ilha durante o inverno já é bem pequena, mas, de qualquer maneira, eles mandaram uma mensagem à Roma.

"Nós ainda desejamos um futuro", diz Antonino Maggiore. Mas ele não quer passar esse futuro trabalhando como guarda carcerário. "Os africanos que chegam de barco querem ir para a Europa, e não para Lampedusa. Por que então esta pequena ilha teria que resolver um problema que aflige toda a Europa?".

Nenhum refugiado jamais permaneceu em Lampedusa. Muitos partem para a Europa e mergulham na clandestinidade, colhendo laranjas na Espanha, limpando vasos sanitários na França ou lavando pratos nos restaurantes de Hamburgo e Munique - como trabalhadores ilegais ou "clandestini", como são chamados em Lampedusa. Eles não desejam retornar à Etiópia ou a Mali, onde pagaram a traficantes de seres humanos uma quantia de US$ 2.000 a US$ 4.000 por uma viagem só de ida. Os destinos dessas pessoas, seja a morte ou a sobrevivência, frequentemente é decidido no último passo rumo à Europa, a viagem de barco rumo a Lampedusa.

Os traficantes ancoram as embarcações em vilas costeiras da Tunísia ou da Líbia. Apontando para o norte com os dedos, eles dizem aos refugiados que, assim que avistarem terra, devem destruir os lemes ou motores precários dos seus barcos. Depois disso, só resta aos refugiados esperar.

Se um barco à deriva não for descoberto, as pessoas a bordo morrerão. Mas, se forem avistados pelos aviões de patrulha operados pela agência europeia de controle da fronteira europeia Frontex, por exemplo, os refugiados estarão protegidos pelo Artigo 98 da Convenção das Nações Unidas sobre a Lei do Mar, que estipula o dever de prestar assistência a embarcações em perigo. Quando isso ocorre, as lanchas rápidas de Lampedusa dirigem-se infalivelmente ao barco dos refugiados e rebocam os imigrantes ilegais até o porto.

Os moradores acostumaram-se a esses hóspedes temporários. Isso não é difícil, porque ninguém os vê. Lampedusa tem nove quilômetros de comprimento por três de largura, e só há uma pequena cidade na ilha. Há alguns anos o governo construiu o velho campo de refugiados em uma colina. As cercas e os guardas que ficam em torno do campo garantem que os refugiados fiquem fora da cidade. É como se eles ainda estivessem na África.

Mauro Buccarello teme que tudo isto mude quando o novo campo for construído. A prática de virar as costas para o fato, cultivada no decorrer dos anos, poderá terminar. "O problema é a psicologia dos turistas", diz Buccarello. Ele tem 32 anos e está muito bem vestido. Buccarello usa grossos anéis de pratas nos dedos polegares e mínimos, veste roupas caras e tem muito a perder com a construção do campo de refugiados. Ele ganha bem transportando no seu barco turistas que praticam scuba diving nos locais mais belos espalhados pela costa.

Mas os turistas podem ser criaturas sensíveis. Eles não querem ver pessoas esquálidas nem sentirem-se ansiosos. Muitos turistas manterão distância da ilha caso saibam que milhares de africanos sem nenhuma perspectiva estão detidos em Lampedusa. O fato de o governo na distante Roma planejar construir o campo na extremidade da ilha, no terreno de um ex-quartel militar, não ajuda.

Em outras palavras, nada mudará para os turistas, e no entanto tudo será diferente, teme Bernardino de Rubeis, o prefeito. Todos na ilha o chamam pelo apelido, "Dino". Ele tem mais de dois metros de altura. "Se as pessoas acharem que isto será uma prisão ao ar livre para 5.000 imigrantes, o turismo em Lampedusa entrará em colapso".

Rubeis diz que os assessores de Berlusconi não serão capazes de deportar os refugiados com rapidez suficiente, se é que algum dia os deportarão. Ele observa que a Itália só possui um acordo em vigor com o Egito, mas que pouca gente vem daquele país. Ninguém se dispõe a aceitar os imigrantes que vem de outras nações.
"Se quisermos que tudo permaneça como está, tudo terá que mudar", disse Alain Delon para Burt Lancaster no filme "O Leopardo". Giuseppe Tomasi é o autor do livro no qual o filme se baseia. "Quando uma onda grande chega, é impossível nadar contra ela", escreveu ele. Na época ninguém falava em refugiados africanos.

Mas muitos na ilha estão familiarizados com o livro dele, que foi publicado em 1958. Tomasi tinha os títulos de Duque de Palma, Barão de Montechiaro e Príncipe de Lampedusa.

Tradução: UOL

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,57
    5,284
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h18

    -1,57
    101.215,87
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host