UOL Mídia GlobalUOL Mídia Global
UOL BUSCA

RECEBA O BOLETIM
UOL MÍDIA GLOBAL


24/11/2007
Os paradoxos da leitura na Colômbia

Catalina Gómez
Em Bogotá


Fonte de criação literária, de bons narradores e poetas, mas de poucos leitores. É uma parte dos paradoxos da Colômbia, onde o alto custo dos livros representa 10% do salário mínimo, o Plano Nacional de Leitura e Bibliotecas começa a ser um sucesso e o público costuma lotar os eventos culturais e participar, perguntar, debater.

Para surpresa de muitos, a última pesquisa de Hábitos de Leitura 2007 revela que os 42 milhões de colombianos passaram de ler 2,4 livros por ano em 2000 para 1,6 em 2005. O paradoxal é que nunca antes foram feitos tantos esforços para promover e fomentar a leitura. Isso deu origem a teorias segundo as quais os culpados seriam a situação econômica, o alto preço dos livros ou o pouco tempo para ler fora do trabalho.

Carmen Barvo, diretora da Fundalectura (instituição dedicada ao fomento da leitura), considera que o problema é a falta de hábito. "A idéia de que é importante popularizar o livro e a leitura é nova. Pela primeira vez na história deste país a leitura e as bibliotecas fazem parte de um plano de desenvolvimento e contam com um orçamento", afirma. Para ela, o mais importante é que isto inclui não somente a construção de espaços, onde ficava o dinheiro, mas que o governo dota as bibliotecas de títulos, filmes, televisores e computadores.

Os diversos eventos literários que se realizam na Colômbia, como o Hay Festival de Cartagena e Bogotá39, que aconteceu no âmbito da Bogotá Capital Mundial do Livro, também ajudaram a chamar a atenção de um público que não tinha qualquer relação com a literatura.

Envolvimento editorial
Embora o mercado de livros na Colômbia seja muito pequeno, as editoras fazem cada vez mais esforços para tornar seus produtos mais acessíveis e conquistar novos públicos. Mas não funciona. "Estou convencido de que há um temperamento nacional, um ambiente que não convida à leitura", diz o editor geral da Planeta Colômbia, Gabriel Iriarte Núñez. A isto soma-se que "os colégios ajudam pouco e as universidades menos ainda no fomento à leitura. E o império das fotocópias literalmente acabou com o texto universitário", afirma. Não há outra maneira de explicar por que todos os setores da economia cresceram em um bom ritmo, enquanto o mercado editorial se manteve nos últimos três anos em um crescimento próximo de 8% ao ano.

A principal característica da indústria nestes últimos anos, segundo Iriarte, é que a oferta de livros de autores nacionais passou a ocupar um lugar de destaque, diferentemente do que acontecia em décadas anteriores. Hoje, um primeiro romance de um autor colombiano pode vender entre 1 mil e 1,5 mil exemplares, o que supera muitas vezes o que se vende de um autor estrangeiro editado pela primeira vez no país. Também há exceções, como "El Olvido que Seremos", de Héctor Abad, que no último ano vendeu mais de 50 mil exemplares.

"Na Colômbia há uma explosão de autores jovens que sem dúvida é interessante, mas é cedo demais para julgá-la", opina Marianne Ponsford, diretora da revista cultural "Arcadia". As editoras praticamente brigam pelos novos nomes da literatura e do jornalismo, como contratações para um time de futebol. E a verdade é que essa nova geração está recebendo muito mais atenção da mídia que a anterior. O surgimento da "Arcadia", junto com o da revista "Piedepágina", também ajudou a dar maior destaque à leitura e aos livros. Hoje é o único veículo exclusivo sobre meios culturais na Colômbia.

Tradução: Luiz Roberto Mendes Gonçalves

ÍNDICE DE NOTÍCIAS  IMPRIMIR  ENVIE POR E-MAIL

Folha Online
Reforma visual da Folha facilita a leitura; conheça as mudanças
UOL Esporte
Após fiasco de público, CBF reduz preços de ingressos para partida
UOL Economia
Bovespa reduz ritmo de perdas
perto do fim dos negócios

UOL Tecnologia
Fãs do iPhone promovem encontro no Brasil; veja mais
UOL Notícias
Chuvas deixam quatro mortos e afetam mais de 4 mil no Paraná
UOL Vestibular
Cotista tem nota parecida com de não-cotista aponta Unifesp
UOL Televisão
Nova novela da Record terá máfia e Gabriel Braga Nunes como protagonista
UOL Música
Radiohead entra em estúdio para trabalhar em disco novo
UOL Diversão & Arte
Escritor indiano Aravind Adiga ganha o Booker Prize
UOL Cinema
Novo filme dos irmãos
Coen tem maior bilheteria nos EUA





Shopping UOL

Gravadores Externosde DVD a partir
de R$ 255,00
Câmera Sony6MP a partir
de R$ 498,00
TVs 29 polegadas:Encontre modelos
a partir de R$ 699