UOL Notícias Internacional
 

22/04/2008 - 00h02

Análise: o fim do isolamento do Paraguai

El País
Fernando Gualdoni
O Paraguai sai de uma longa noite, desse claustro que Augusto Roa Bastos descreveu em seu romance "Yo el supremo" [Eu o supremo]: "O Paraguai será invencível enquanto se mantiver fechado compactamente sobre o núcleo de sua própria força". Com essas palavras, o escritor paraguaio -prêmio Cervantes em 1989- definiu a essência da política paraguaia que começa com a ditadura de José Gaspar Rodríguez de Francia (1811-1840), se mantém depois das guerras da Tríplice Aliança e da do Chaco -o Paraguai combateu em dois dos três grandes conflitos bélicos sul-americanos depois da independência da Espanha- e se confirma durante 61 anos do Partido Colorado no poder (período que incluiu os 35 anos de ditadura de Alfredo Stroessner, entre 1954 e 1989).

Os colorados estão saindo e Fernando Lugo tem diante de si o desafio de pôr de pé e no mapa um país empobrecido e o quarto mais corrupto do continente americano. A primeira preocupação é saber com que esquerda se identificará o novo inquilino do palácio presidencial de Assunção -o Mburuvicha Róga ("casa do chefe" na língua dos indígenas guaranis)-, se com a moderada do Chile e Brasil ou com a mais radical da Venezuela e Bolívia.

VITÓRIA DE FERNANDO LUGO
Crédito
Simpatizantes de Lugo se reúnem em Assunção para comemorar
BASTIDORES DA ELEIÇÃO
FIM DO ISOLAMENTO
EXPANSÃO DA ESQUERDA
ENTREVISTA COM LUGO
MAIS NOTÍCIAS DO PARAGUAI
Em suas entrevistas Fernando Lugo não deixou claro; parece que flerta com as duas, e por isso seus primeiros dias de governo serão vitais para ver para que tendência se inclina. Será acompanhado de perto por seus vizinhos e pelos EUA por dois motivos fundamentais: porque o Paraguai é um grande produtor de energia elétrica e é uma reserva aqüífera única, e porque sua tríplice fronteira com Brasil e Argentina abriga 25 mil muçulmanos (a maior concentração regional) e é uma das maiores portas de entrada para o tráfico de armas na América do Sul.

O Paraguai é o maior produtor de energia elétrica per capita do mundo e está em 12º lugar entre as potências hidrelétricas, segundo a Agência Internacional de Energia dos EUA, graças às represas de Itaipu (a maior do mundo até que seja terminada a das Três Gargantas na China) e a de Yacyretá. A primeira é administrada junto com o Brasil e a segunda com a Argentina. Com somente 6 milhões de habitantes, o Paraguai praticamente pode exportar toda a energia que produz para seus vizinhos. Apesar dessa riqueza energética, o Produto Interno Bruto do país mal chega a US$ 9 bilhões, o menor da América do Sul com exceção do Suriname, segundo números do Banco Mundial.

Por outro lado, o país está no centro do Aqüífero Guarani, uma reserva de água doce embaixo de quatro países que supera em tamanho Espanha, Portugal e França juntos, e que pode abastecer cerca de 720 milhões de pessoas com 300 litros diários por habitante durante um século. Se é verdade que as guerras do futuro serão pela água e não pelo petróleo, está claro que o Paraguai é um alvo estratégico único.

O tema da tríplice fronteira deixa Washington de cabelos em pé. Depois dos atentados de 11 de Setembro foi uma das áreas mais investigadas por sua possível relação com o terrorismo islâmico. Anteriormente as autoridades argentinas haviam esquadrinhado a região em busca de suspeitos ligados aos atentados contra a embaixada de Israel em 1992 e uma mutual judia em 1994, ambos em Buenos Aires, que deixaram mais de uma centena de mortos.

Em 2005 os EUA conseguiram que o governo de Assunção autorizasse o uso de suas bases aéreas e desse "imunidade" para os militares americanos que precisassem atuar na região. Em toda a América do Sul, com exceção da Colômbia, as tropas americanas só têm tratamento especial no Equador e no Paraguai. Uma das primeiras decisões do equatoriano Rafael Correa depois de ganhar as eleições presidenciais em 2006 foi expulsar os americanos da base de Manta em 2009. Agora é provável que Fernando Lugo também não os queira em território paraguaio.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    1,16
    3,899
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h23

    -0,74
    98.040,06
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host